Saiba como conferir o saldo do FGTS de contas ativas e inativas

Os trabalhadores interessados devem se cadastrar no site da Caixa ou do próprio benefício. Governo estuda liberar saque parcial

VALDECIR GALOR/SMCSVALDECIR GALOR/SMCS

atualizado 17/07/2019 14:28

O governo estuda liberar saque de 35% do saldo de contas ativas do Fundo de Garantia de Tempo de Serviço (FGTS). Para saber se você terá direito a retirar o crédito, é possível consultar o saldo no site da Caixa Federal ou do próprio benefício. Com o aplicativo para smartphone, é possível acompanhar também os depósitos realizados e informações sobre a retirada.

No rol de opções para os trabalhadores que querem se informar, está o cadastramento no site para receber mensagens via celular ou por e-mail. O aplicativo pode ser baixado gratuitamente por celulares do sistema Android, IOS e Windows.

Aos que preferirem realizar a operação pessoalmente, é possível consultar extrato no balcão de agências da Caixa ou em um posto de atendimento, junto ao Cartão Cidadão do banco.

Para consultas via internet, o trabalhador precisa ter em mãos o número do NIS ou do PIS, disponíveis na carteira de trabalho. Com o cadastro completo, os interessados conseguem checar os lançamentos feitos no cartão cidadão, nos últimos seis meses. Ainda não há a opção de consulta do saldo via telefone.

Os brasileiros que estão no exterior devem reportar às embaixadas para conferir o saldo e a possibilidade de saque do fundo.

Confira o passo a passo 

Acesse o portal para conferir os valores. Após realizar cadastro e entrar na página principal do perfil, basta clicar na opção “FTGS”, localizada na parte esquerda e superior. Entre as opções, o usuário pode alterar dados pessoais ou checar os créditos complementares. Basta clicar na aba “extrato” para conferir o valor de direito do trabalhador. Descubra aqui quais documentos os beneficiários devem ter em mãos para retirar a quantia.

Porém, é preciso ter atenção, pois nem todas as pessoas têm direito à retirada do fundo. De acordo com a lei que rege o imposto, o saque só pode ser feito em casos de demissão sem justa causa, aposentadoria, término do contrato, rescisão por culpa recíproca, falecimento do trabalhador, entre outros casos. Para conferir, clique aqui.

O Ministério da Economia deve permitir que os trabalhadores saquem até 35% dos recursos das contas ativas (dos contratos de trabalho atuais) do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A expectativa do governo é de que a medida injete até R$ 42 bilhões na economia.

Últimas notícias