metropoles.com

Redes bolsonaristas criam versão de que infiltrados vandalizaram o DF

Influenciadores e parlamentares bolsonaristas estão afirmando, sem provas, que radicais de esquerda seriam os responsáveis pelo caos

atualizado

Compartilhar notícia

Felipe Torres/Metrópoles
GSI
1 de 1 GSI - Foto: Felipe Torres/Metrópoles

A invasão das sedes dos Três Poderes, em Brasília, por radicais bolsonaristas inicialmente levou euforia às redes de apoio ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), ainda no domingo (8/1). À medida em que as imagens de depredação do patrimônio público foram vindo à tona e causando repúdio no Brasil e no mundo, porém, influenciadores e parlamentares bolsonaristas passaram a adotar a tática de culpar supostos infiltrados de esquerda pela destruição.

A mesma tática foi usada pelas redes bolsonaristas no rastro da repercussão da destruição em Brasília, no último dia 12 de dezembro, e remonta à estratégia usada por extremistas dos Estados Unidos para tentar tirar a responsabilidade de radicais apoiadores do ex-presidente Donald Trump que invadiram o Capitólio do país há dois anos e também tocaram o terror.

Por lá, após longa investigação, pelo menos 900 pessoas acabaram presas, outras 350 ainda são procuradas e ao menos 192 foram condenadas à prisão — todos eram trumpistas radicais.

Por aqui, a versão que grande parte dos bolsonaristas tenta passar é a de que radicais de esquerda teriam se infiltrado e tornado violenta uma manifestação pacífica.

Os indícios apontados em postagens nos grupos bolsonaristas no WhatsApp e no Telegram, além das redes sociais, são frágeis: a imagem de alguém com o rosto coberto, por exemplo, é usada como “prova”, diante do argumento de que manifestantes de direita não usam essa estratégia.

Veja exemplos do que está circulando em grupos bolsonaristas monitorados pela reportagem:

0
Participação de parlamentares bolsonaristas

Além dos grupos em aplicativos de troca de mensagens, redes sociais, como Facebook e Twitter, estão servindo para propagar a versão sobre os supostos infiltrados. E o esforço conta com a adesão de parlamentares bolsonaristas reeleitos.

O deputado federal Carlos Jordy (PL-RJ) postou vídeo no Twitter de um influencer bolsonarista denunciando o que seriam infiltrados do MST — sem nenhuma prova — e questionou: “Alô, Alexandre de Moraes! Esses petistas infiltrados que promoveram o caos e vandalismo ontem serão responsabilizados? Lula, quer fazer intervenção federal para conter seus vassalos?”.

O deputado federal José Medeiros (PL-MT), ex-vice-líder do governo Bolsonaro na Câmara, postou, nesta segunda-feira (9/1), que “essa invasão aos Poderes não resiste a uma simples investigação, para descobrir quem está por trás, mas a imprensa e muito menos ao XERIFE [refere-se ao ministro Alexandre de Moraes] o resultado não interessa”.

Antes, em outra postagem, ainda no domingo, Medeiros havia relativizado a violência, que chamou de “revolta do povo”: “A reflexão que faço é quando os responsáveis pela revolta do povo farão um exame de consciência. Não pensem que prisões, bombas, narrativas vão pacificar o país. O que pacificará o Brasil será transparência sobre essas eleições”, escreveu.

Veja exemplos do que está circulando nas redes bolsonaristas:
0

Convocações feitas por influencers bolsonaristas

A versão sobre esses supostos infiltrados ignora que dezenas de participantes nos atos golpistas em Brasília estão sendo identificados como militantes bolsonaristas de longa data e que personalidades conhecidas do campo da extrema-direita passaram os dias anteriores ao ato estimulando o caos.

O ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo, por exemplo, afirmou, em 27 de dezembro, em vídeo publicado em sua conta no Instagram, que o Brasil “precisa mergulhar no caos para se livrar dele”. Veja:

Os extremistas Oswaldo Eustáquio e Bismark Fugazza, que têm mandados de prisão em aberto desde o ataque a Brasília, em 12 de dezembro, e estão foragidos, usaram o mesmo tipo de retórica em postagens nos últimos dias. Bismark sugeriu uma revolta aos moldes do Sri Lanka, em julho do ano passado, quando manifestantes invadiram sedes do governo e a residência presidencial e obrigaram o ex-presidente do país a fugir e renunciar.

Eustáquio afirmou, também em vídeo nas redes sociais na última semana: “Se tomarmos o Congresso Nacional, nós certamente teremos a vitória”. Veja denúncia feita nas redes sociais pelo jornalista Eduardo Matysiak:

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações