Queiroga se irrita com protesto e defende Bolsonaro em Goiás

Ministro da Saúde cumpriu agenda em Goiânia nesta terça (15/6); ao ter fala interrompida por homem crítico a presidente, Queiroga se irritou

atualizado 15/06/2021 20:01

Médico Marcelo Queiroga, ministro da Saúde do BrasilVinícius Schmidt/Metrópoles

Goiânia – O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, teve a fala interrompida na tarde desta terça-feira (15/6), em Goiânia, por um manifestante anti-Bolsonaro. Enquanto ele dizia que todos os brasileiros acima de 18 anos serão vacinados até o final deste ano, um homem gritou: “Se o presidente não atrapalhar…

Queiroga, imediatamente, retrucou e defendeu o presidente: “Atrapalhar? O presidente colocou R$ 20 bilhões numa medida provisória”. E o manifestante contrapôs: “Se ele não continuar atrapalhando. Ele trabalha para atrapalhar”.

O ministro repetiu o valor da medida provisória para a compra de vacinas e foi orientado por assessores e demais pessoas que estavam ao lado dele a não responder e, com isso, evitar que a discussão se prolongasse.

Escute o áudio:

Esquenta

O bate-boca aconteceu durante entrevista improvisada na frente da Unidade de Pronto-atendimento (UPA) do Jardim América, um dos pontos de vacinação de Goiânia. O local foi visitado pelo ministro, ao cumprir agenda nesta tarde, na capital goiana. Ele estava junto do governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM) e do prefeito da capital, Rogério Cruz (Republicanos).

Queiroga dizia que já existem 630 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 contratualizadas pelo governo federal e que isso permite garantir, segundo ele, que toda a população acima de 18 anos será vacinada com as duas doses até o final deste ano.

Na saída do local, o manifestante voltou a expressar descontentamento com as atitudes do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). “Fora Bolsonaro genocida. Caiado não se alie a isso, não. Você é muito mais que esse presidente. Queima seu filme, não”, disse o manifestante.

Veja:

Ainda em sua passagem pela capital goiana, o ministro da Saúde se posicionou a respeito da possibilidade de retorno às aulas presenciais. De acordo com Marcelo Queiroga, não é necessário que todos os professores estejam vacinados para que isso ocorra. Para ele, basta que protocolos sejam seguidos para que os alunos possam retornar às atividades normais. O assunto será debatido ainda nesta semana em Brasília, segundo ele.

Em Goiás, Ronaldo Caiado já anunciou que pretende voltar com as aulas presenciais nas escolas públicas da rede estadual no início de agosto. Até lá, todos os professores ainda não estarão completamente imunizados (com primeira e segunda doses vacinais).

O ministro da Saúde, inclusive, foi incumbido pelo presidente da República para que desenvolva um estudo que desobrigue o uso de máscaras aos brasileiros que já foram vacinados ou que já tiveram Covid-19.

Estava programado um pronunciamento do ministro da Saúde, no fim da visitação, no Palácio das Esmeraldas, residência oficial do governador goiano, mas a assessoria cancelou e Queiroga deixou Goiânia às 18h, sem falar novamente com a imprensa.

0

Últimas notícias