Presidente do STF relatará recurso de Witzel contra afastamento do cargo

Wilson Witzel foi afastado do cargo de governador por 180 dias, após denúncia do Ministério Público do Rio

atualizado 31/08/2020 19:37

DANIEL FERREIRA/METRÓPOLES

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, será o relator do pedido apresentado pela defesa do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, contra a liminar que o afastou do cargo na última sexta-feira (28/8).

Determinado pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Benedito Gonçalves, o afastamento será reavaliado nesta quarta-feira (2/9), pelo Órgão Especial do tribunal, que reúne os 15 ministros mais antigos.

Por se tratar de um pedido de suspensão de liminar de outra Corte, a análise deve ser feita pelo presidente do STF. Toffoli, por sua vez, pode decidir sobre a defesa de Witzel ou aguardar a definição colegiada do STJ.

A defesa do governador do Rio de Janeiro alega que o afastamento foi realizado antes do recebimento da denúncia que tornaria Witzel réu e feito por meio de uma decisão monocrática, não de um colegiado.

Entenda

Denunciado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) por corrupção e lavagem de dinheiro, Wilson Witzel deverá ficar afastado do cargo de governador por 180 dias.

Os defensores querem que o Supremo decida sobre questões que não ficaram claras no trâmite que levou ao afastamento do político do cargo.

0

Últimas notícias