Venezuela: Maia defende eleições e critica crise humanitária no país

O democrata defendeu, pelas redes sociais, a realização de novas eleições no país e que a ordem democrática seja restabelecida

atualizado 30/04/2019 17:12

Marcelo Camargo/Agência Brasil

Em viagem ao Oriente Médio, o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), manifestou preocupação com a crise na Venezuela. A tensão no país vizinho aumentou após o autointitulado presidente, Juan Guaidó, dizer que tem apoio de alas militares e convocar manifestações nesta terça-feira (30/04/2019). Maia defendeu eleições para estancar a crise.

Pelo Twitter, o democrata externou a sua preocupação. “A Câmara dos Deputados reitera, assim, seu respeito à soberania da Assembleia Nacional e à independência dos Poderes; à necessidade de definição de um calendário eleitoral viável e constitucional; e à libertação de prisioneiros políticos e de consciência”, escreveu.

O deputado defendeu que os protestos desta terça possam resolver a instabilidade política. “Acompanho com atenção e preocupação as manifestações na Venezuela, na expectativa de que possam conduzir a uma solução que preserve a democracia e não agrave a crise humanitária que assola o país vizinho”, emendou.

Por fim, Maia criticou a situação política vivida pelo presidente Nicolás Maduro. “A Câmara tem manifestado sua contrariedade com os recentes processos eleitorais ocorridos no país vizinho, especialmente naquele que tentou restringir o Poder Legislativo com a eleição de uma assembleia constituinte que viola as normas estabelecidas pela Constituição de 1999”, completou.

Entenda a crise
Guaidó chamou a população às ruas e declarou ter apoio de militares para colocar um fim ao que ele chama de “usurpação” do poder na Venezuela. Uma série de confrontos teve início na manhã desta terça-feira (30/04/2019) e se estende até o momento. Manifestantes favoráveis e contrários ao presidente Nicolás Maduro protestam em Caracas.

Bolsonaro convocou uma reunião de emergência com os ministros do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, e da Defesa, Fernando Azevedo, além do vice, Hamilton Mourão, para tratar da situação.

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, declarou que é “positivo” que alas dos militares da Venezuela declarem apoio a Guaidó. “Precisamos ver a dimensão disso e o Brasil, desde o começo, apoia o processo de transição democrática”, disse.

Veja as mensagens publicadas por Rodrigo Maia:

Últimas notícias