Tribunal da Lava Jato mantém processo contra Delcídio na Justiça Eleitoral

O ex-parlamentar é acusado de ter recebido propina em esquema que envolveu a compra de um refinaria de petróleo em Pasadena (EUA)

Waldemir Barreto/Agência Senado

atualizado 01/08/2020 16:15

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), o “Tribunal da Lava Jato”, negou por unanimidade dois recursos do Ministério Público Federal e da Petrobras que pediam o retorno à Justiça Federal de processo contra o ex-senador Delcídio do Amaral.

Os recursos questionavam decisão da 13ª Vara Federal de Curitiba que enviou à Justiça Eleitoral os autos da ação penal em que o ex-senador é réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro na Lava Jato. Delcídio é acusado de ter recebido propina em esquema que envolveu a compra de um refinaria de petróleo em Pasadena (EUA).

A defesa do ex-parlamentar alegou que os recursos tinham sido usados para a campanha eleitoral, o que remetia o caso para a Justiça Eleitoral.

A Lava Jato e a Petrobras alegaram que essa justificativa não basta para modificar a denúncia contra Delcídio por crimes comuns de corrupção e lavagem de dinheiro.

Lei eleitoral

O desembargador João Pedro Gebran Neto, relator da operação no tribunal, afirmou que os crimes imputados a Delcídio estão enquadrados na lei eleitoral.

Segundo o magistrado, “compete à Justiça Eleitoral aferir eventual conexão e, se assim entender, determinar ocasionalmente o desmembramento do feito ou decidir a respeito da inocorrência de delito afeto à sua área de atuação”.

0

Últimas notícias