metropoles.com

Tebet assumirá cargo-chave de olho na disputa pela Presidência em 2026

Personagem importante nas eleições, Tebet comandará ministério de peso e pode capitalizar com gestão da pasta visando o próximo pleito

atualizado

Compartilhar notícia

Hugo Barreto/Metrópoles
Pré-candidata à Presidência da República pelo MDB, Simone Tebet
1 de 1 Pré-candidata à Presidência da República pelo MDB, Simone Tebet - Foto: Hugo Barreto/Metrópoles

Após impasses e uma intensa negociação, Simone Tebet (MDB) definiu seu futuro e aceitou o convite do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para comandar o Ministério do Planejamento a partir de 2023. Com isso, Tebet realizará o desejo de chefiar uma pasta com maior capital político, mirando se fortalecer para as eleições presidenciais em 2026.

O impasse envolvendo a emedebista durou semanas e esbarrou principalmente no ímpeto dos petistas, que queriam o controle de ministérios mais importantes do novo governo.

Apesar da relutância da senadora em assumir o Planejamento, a avaliação é de que o ministério está à altura da importância do papel desempenhado por Tebet a favor de Lula ao longo do segundo turno das eleições presidenciais.

Tebet iniciou as eleições como candidata da chamada terceira via, que pregava nomes alternativos a Lula e Jair Bolsonaro (PL), mas terminou fazendo campanha para o petista, sendo determinante para assegurar a vitória nas urnas, transferindo votos, em especial do eleitorado feminino, para o ex-presidente.

“A senadora Simone Tebet teve uma votação muito pequena, mas que, sem dúvida, foi importante para que o projeto do PT fosse vitorioso, no segundo turno da eleição mais apertada da nossa história. O apoio dela certamente ajudou a conseguir aquele 1% que o Lula precisava. Agora, como ministra do Planejamento, ela terá um reconhecimento importante”, avalia o professor e cientista político Lúcio Renno, da Universidade de Brasília (UnB).

0

Tebet pode capitalizar com gestão

Antes de aceitar o Planejamento, Tebet flertou com ministérios de mais visibilidade, como as pastas do Desenvolvimento Social, Cidades e Transportes, e Meio Ambiente. O desejo da senadora, no entanto, foi minado pela gestão petista, que tem as próprias ambições para o próximo pleito eleitoral.

Mesmo longe de ser o Plano A da ex-senadora, o Ministério do Planejamento também poderá vir a ser um importante palanque político para a ex-parlamentar. Caberá à pasta traçar o planejamento de custos, a análise e viabilidade de projetos e o controle de orçamentos, com a liberação de fundos.

“A força de Simone Tebet vai depender muito das secretarias que ela vai comandar sendo ministra do planejamento. Pode ser um ministério muito forte e ela pode acabar sendo uma ministra com bastante força junto à opinião pública e o setor empresarial. Acho, honestamente, que poderá ser melhor para ela do que um eventual Ministério do Desenvolvimento Social”, defende o cientista político Sérgio Praça, professor e pesquisador da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

“Eleição de 2026 já começou”

Na gestão do Planejamento, Tebet terá de atuar em harmonia com o futuro ministro da Fazenda, Fernando Haddad – a quem o PT confia a sucessão do Executivo, em 2026, e a quem a emedebista poderá enfrentar nas próximas eleições. Os dois poderão rivalizar, portanto, pelo protagonismo na Esplanada dos Ministérios.

“A Eleição de 2026 já começou. Haddad e Tebet são os grandes nomes. Acho que vão disputar protagonismo, mas a vantagem é sempre do partido que está no governo. Temos uma briga boa, porque o MDB é um partido bastante relevante, com muita flexibilidade e diálogo com outras legendas. É uma escolha inusitada de Lula e como cientista político acho bem interessante”, explica Praça.

Renno destaca, ainda, que a dupla não é a única do Executivo de olho na cadeira presidencial. “Esses dois emergem como nomes de maior visibilidade nacional, mas não podemos deixar de fora o vice-presidente e ministro Geraldo Alckmin, que tem pretensões eleitorais claras e com potencial muito relevante, assim como a ministra Marina Silva também”.

O docente da UnB crê, porém, que o momento é prematuro para definir quem levará vantagem. “Neste primeiro momento, todos devem remar para o mesmo lado, até porque todos ganham com o sucesso do governo. Não é obrigatoriamente um cenário que vai levar à falta de coordenação, muito pelo contrário. Eles têm todos interesse de que o governo do qual fazem parte seja um sucesso e que se viabilizem como nomes importantes para o próximo ciclo de escolha”, completou.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?