metropoles.com

Renan coloca Heinze no rol de indiciados do relatório da CPI da Covid

A inclusão atende a pedido do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), sob alegação de difusão e defesa de notícias falsas

atualizado

Compartilhar notícia

Rafaela Felicciano/Metrópoles
O senador Luis Carlos Heinze no senado
1 de 1 O senador Luis Carlos Heinze no senado - Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

O relator da CPI da Covid-19, senador Renan Calheiros (MDB-AL), anunciou durante sessão para votação do relatório, nesta terça-feira (26/10), a inclusão do senador Luis Carlos Heinze (PP-RS) no rol de indiciados do documento sob acusação de disseminação de notícias falsas. A inclusão atende a pedido do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE).

Vieira afirmou que devem ser imputados a Heinze os mesmos tipos penais atribuídos a outros parlamentares federais, que “da mesma forma, reiteradamente, dissemina notícias falsa que impactam na vida”. ”

“O que o senador Heinze fala repercute na vida das pessoas. Todos já apresentaram volume imenso de informação que esses dados trazidos por ele são falsos. Essa CPI teve a coragem de pedir o indiciamento do presidente da República, do líder do governo, então, não pode fechar os olhos para um colega”, defendeu o senador.

Calheiros acatou o pedido de Vieira, alegando que daria um “presente” a Heinze. “Vossa excelência acaba de se tornar o 81º indiciado”, enfatizou.

Vieira é autor de representação contra Heinze no Conselho de Ética do Senado Federal pelos mesmos motivos que o levaram a pedir o indiciamento do parlamentar.

“Considerando o contexto que a gente vem vivendo na CPI, com reiteradas tentativas de desinformação, repetição, apesar dos alertas, de documentos e dados que não correspondem à verdade, informo que estou apresentando uma representação no Conselho de Ética em face do colega Heinze”, declarou Vieira na ocasião em que anunciou que entraria com a representação contra o senador gaúcho.

 

7 imagens
Vice-presidente da CPI da Covid, Randolfe Rodrigues, em entrevista à imprensa
Vice-presidente da CPI da Covid, Randolfe Rodrigues, chegando à sessão
Relator da CPI da Covid, Renan Calheiros, em entrevista à imprensa
Relator da CPI da Covid, Renan Calheiros, em entrevista à imprensa
CPI da Covid-19
1 de 7

CPI da Covid-19

Edilson Rodrigues/Agência Senado
2 de 7

Vice-presidente da CPI da Covid, Randolfe Rodrigues, em entrevista à imprensa

Hugo Barreto/Metrópoles
3 de 7

Vice-presidente da CPI da Covid, Randolfe Rodrigues, chegando à sessão

Hugo Barreto/Metrópoles
4 de 7

Relator da CPI da Covid, Renan Calheiros, em entrevista à imprensa

Hugo Barreto/Metrópoles
5 de 7

Relator da CPI da Covid, Renan Calheiros, em entrevista à imprensa

Hugo Barreto/Metrópoles
6 de 7

CPI da Covid-19

Hugo Barreto/Metrópoles
7 de 7

CPI da Covid-19

Edilson Rodrigues/Agência Senado

A comissão realiza, nesta terça-feira, a votação do relatório final do senador Renan Calheiros (MDB-AL), que ocorrerá de forma nominal, e será o verdadeiro teste da unidade do grupo majoritário na comissão.

O relatório lido por Calheiros na última semana continha o indiciamento de 66 pessoas — entre elas, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e os filhos Flávio, Carlos e Eduardo Bolsonaro — e duas empresas. Às vésperas da votação, o documento ganhou mais 10 nomes e passou a ter 78 indiciados.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?