“Não confundam o jeito mineiro de fazer política com inércia”, avisa Pacheco

O presidente do Senado também usou Tancredo Neves para destacar o compromisso com a liberdade e a defesa ao Estado Democrático de Direito

atualizado 17/09/2021 14:33

Coletiva de imprensa com presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco 7Igo Estrela/Metrópoles

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que comumente tem seu “jeito mineiro” de evitar embates políticos ressaltado, disse, nesta sexta-feira (17/9), que não podem confundir o “perfil mineiro de moderação e conciliação” com “inércia ou tolerância” a ataques à democracia.

O parlamentar destacou também que o momento brasileiro suscita vigilância e atenção incomuns e usou Tancredo Neves para destacar o compromisso com a liberdade e a defesa ao Estado Democrático de Direito.

“Os mineiros, como políticos, têm seu perfil: de moderação, de ponderação, de busca de consenso e conciliação, mas que não confundam o perfil mineiro de fazer política com inércia ou com tolerância com aquilo que não transigimos. Quem objetivar mitigar o estado de direito ou estabelecer retrocesso à democracia terá o pulso forte da política de Minas Gerais para resistir”, enfatizou Pacheco.

0

O parlamentar participou de um seminário sobre segurança jurídica da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e do Ministério Público de Minas Gerais, ao lado do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, e do presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Humberto Martins.

No evento, Pacheco também usou a devolução da Medida Provisória (MP) que altera o Marco Civil da Internet e a votação a toque de caixa do novo Código Eleitoral como exemplos de insegurança jurídica.

Últimas notícias