Mourão sobre alta do IOF: “Para dar uma folga nas manobras”

A medida aumenta as alíquotas do IOF para gerar uma arrecadação extra de R$ 2,14 bilhões e bancar o Auxílio Brasil

atualizado 20/09/2021 11:38

O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) disse, nesta segunda-feira (20/9), que o aumento nas alíquotas do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) é “mais para dar uma folga nas manobras que estão sendo feitas”. O ajuste começa a valer a partir desta segunda-feira.

“É, o que eu pude entender é que até o fim do ano a arrecadação não é tão expressiva assim, né? R$ 2 bilhões. É mais para dar alguma folga nas manobras que estão sendo feitas, até porque, como o presidente falou ontem antes de embarcar, continuamos ainda com muita gente desempregada, muita gente sem perspectiva. Compete ao governo auxiliar esse povo”, disse Mourão a jornalistas, na chegada ao Palácio do Planalto.

O decreto editado na última quinta-feira (16/9) aumenta as alíquotas anuais do IOF nas operações de crédito feitas por pessoas jurídicas (empresas) de 1,50% para 2,04%, e para pessoas físicas dos atuais 3,0% para 4,08%.

O objetivo é gerar uma arrecadação extra de R$ 2,14 bilhões para bancar o Auxílio Brasil, programa que deverá substituir o Bolsa Família.

“A alteração de alíquotas do IOF causará aumento de arrecadação e beneficiará diretamente cerca de 17 milhões de famílias”, diz a nota divulgada pelo Palácio do Planalto.

“O presidente da República, Jair Bolsonaro, editou um decreto para alterar as alíquotas do Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF), relacionados às operações de crédito para pessoas jurídicas e físicas. As novas alíquotas valerão no período entre 20 de setembro de 2021 e 31 de dezembro de 2021″, detalhou o governo.

Mourão está atuando como presidente interino do país até a volta de Jair Bolsonaro (sem partido), que está em Nova York para a 76ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). Bolsonaro fará o discurso de abertura do debate geral da assembleia, na terça-feira (21/9), às 10h (horário de Brasília).

0

 

Últimas notícias