Mourão fará novo PCR e brinca: “Não aguento mais aquele negócio no nariz”

Vice-presidente informou que vai se submeter ao teste novamente em razão de viagem internacional que fará na próxima semana

atualizado 22/09/2021 19:25

Hamilton Mourao na Cerimônia de entrega do Espadin AMAN Foto Bruno Batista VPR

O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) disse nesta quarta-feira (22/9) que se submeterá a um novo teste de Covid-19, do tipo RT-PCR, antes da viagem oficial pela Europa, Oriente Médio e Emirados Árabes, prevista para ter início na próxima semana.

Durante conversa com jornalistas, na saída de seu gabinete, no Palácio da Alvorada, Mourão foi questionado se teria que fazer um novo exame após o diagnóstico positivo do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para Covid-19. Os dois se encontraram durante solenidades na última semana.

“Não [vou fazer novo teste por isso]. Eu vou fazer teste amanhã, porque eu vou viajar domingo para fora do país. Vou fazer o PCR pela 15ª vez. Não aguento mais aquele negócio no nariz”, brincou. O vice teve Covid em janeiro deste ano e já foi imunizado com duas doses contra a doença.

Na rápida conversa com a imprensa, no início desta noite, Mourão ainda disse que não conversou com Bolsonaro após o retorno do presidente ao Brasil. O vice ficou no comando do Planalto nos últimos dias.

Segundo ele, o chefe do Executivo federal apenas o informou de que deve passar os próximos dias em casa. “Ele só me mandou uma mensagem dizendo que vai ficar em casa”, declarou Mourão.

Casos de Covid na comitiva presidencial

Mais cedo, nesta quarta, o secretário de Comunicação da Presidência, André Costa, informou que tanto Bolsonaro quanto comitiva que o acompanhou durante a viagem aos Estados Unidos estão assintomáticos e serão submetidos, no fim de semana, a um teste RT-PCR para detectar se foram infectados pela Covid-19. Durante esse tempo, permanecerão em isolamento.

Segundo o secretário, Bolsonaro e a comitiva seguirão o Guia de Vigilância Epidemiológica da Covid-19, do Ministério da Saúde, que determina, para caso de indivíduos assintomáticos, coleta do exame no período mínimo de cinco dias após o último encontro com o caso suspeito ou confirmado da doença, o que, neste caso, deve ocorrer entre sábado (25/9) e domingo (26/9).

“A comitiva que acompanhou o presidente da República nessa visita à Organização das Nações Unidas também foi toda orientada a permanecer seguindo o Guia de Vigilância Epidemiológica, publicada desde abril deste ano. […] O presidente da República encontra-se no Palácio da Alvorada, assintomático. Totalmente assintomático e seguirá, então, essas orientações”, informou o secretário.

Segundo André Costa, no caso de resultados negativos, os integrantes serão acompanhados por um médico até o 14º dia após o último contato com o ministro Queiroga. “Permanecendo, então, assintomático, está descartado o caso de Covid”, disse.

Anvisa recomenda isolamento

Além do ministro da Saúde, um diplomata encarregado de organizar a viagem aos Estados Unidos testou positivo para o novo coronavírus.

Depois dos diagnósticos positivos, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou que a comitiva que esteve em Nova York fizesse isolamento, incluindo o presidente Bolsonaro.

A recomendação fez com que o chefe do Executivo federal alterasse a única agenda prevista para esta quarta para o formato de videoconferência. Ele se reuniu com o subchefe para Assuntos Jurídicos (SAJ) da Secretaria-Geral da Presidência da República, Pedro Cesar Sousa. Na agenda divulgada na noite anterior, o compromisso do compromisso estava apenas como “Brasília/DF”, mas foi alterado para ser realizada no Palácio da Alvorada.

Últimas notícias