Lira nega ter recebido suposta ameaça de golpe de Braga Netto

Ministro da Defesa também afirmou ser "mentira" que tenha condicionado as eleições de 2022 ao voto impresso e auditável

atualizado 22/07/2021 14:17

O deputado federal e candidato à presidência da Câmara Arthur Lira (PP), durante coletiva de imprensa na Associação Comercial de São Paulo, na região central, nesta tarde de quinta-feira (21).Fábio Vieira/Metrópoles

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), negou ao Metrópoles, na manhã desta quinta-feira (22/7), que teria recebido um recado do ministro da Defesa, general Braga Netto, condicionando as eleições de 2022 ao voto impresso e auditável.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, o recado foi dado a Lira no último dia 8, por meio de um interlocutor. No momento do aviso, Braga Netto estaria acompanhado de chefes militares do Exército, da Marinha e da Aeronáutica.

Procurado pelo Metrópoles, o presidente da Câmara refutou a informação publicada pelo Estadão e disse que irá divulgar mais esclarecimentos sobre o assunto, ainda nesta quinta-feira, pelo Twitter. Mais cedo, a assessoria alegou que o parlamentar não iria se manifestar sobre o episódio.

Ao chegar ao Ministério da Defesa na manhã desta quinta-feira (22/7), o comandante das Forças Armadas foi questionado por jornalistas sobre a matéria do Estadão. O general se limitou a dizer: “Mentira, invenção”.

Uma fonte ligada a Braga Netto também negou ao Metrópoles que o fato tenha ocorrido. “Interlocutor? Não se manda recado neste nível. E não é postura de uma autoridade”, disse.

Gravíssimo

De acordo com o Estadão, ao receber o aviso, Lira entendeu se tratar de uma ameaça de golpe, algo “gravíssimo”. Por isso, foi atrás de Bolsonaro para esclarecer a situação e assinalou ao chefe do Executivo federal que iria com ele até o fim, mesmo se fosse para perder a eleição, mas não iria admitir golpe.

0

Ainda de acordo com o periódico, Bolsonaro contemporizou e disse, como de praxe, respeitar a Constituição. Lira, no entanto, destacou que o emissário foi claro ao dar o aviso do general.

Naquele mesmo 8 de julho — quando Braga Netto teria mandado recado a Lira —, o presidente Jair Bolsonaro, durante conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, afirmou que as “eleições do ano que vem serão limpas”, em referência ao voto impresso, “ou não teremos eleições”.

Últimas notícias