Guedes sobre novo imposto: “Sou homem que desiste fácil? De jeito nenhum”

O ministro afirmou anteriormente que poderia desistir da criação. Contudo, nesta sexta, ele afirmou que se confundiu ao responder a questão

atualizado 16/10/2020 22:43

paulo guedesRafaela Felicciano/Metrópoles

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta sexta-feira (16/10) que não desistiu de criar um imposto sobre transações digitais, no formato da antiga CPMF, para desonerar a folha de pagamentos. “Eu sou homem de desistir fácil das coisas? De jeito nenhum”, declarou.

Em live realizada pela XP Investimentos, Guedes afirmou não se importar se “o imposto é feio, desde que ele funcione em criar novos empregos“.

Na última quinta-feira (15/10), Guedes disse à CNN que poderia desistir da criação do novo imposto. “Não tem aumento de imposto, não existe aumento de imposto”, afirmou. Contudo, na live de hoje, o ministro afirmou que se confundiu ao responder a repórter.

Guedes disse que negou o fato de que o tributo seja uma reedição da CPMF, mas não quis dizer que desistiu da criação do imposto sobre transações financeiras. “Não é CPMF de jeito nenhum. É digital”, esclareceu.

A CPMF foi um imposto que existiu até 2007 para cobrir gastos do governo federal com projetos de saúde – a alíquota máxima foi de 0,38% sobre cada operação. Em 2015, o governo, então sob comando da presidente Dilma Rousseff, chegou a propor a volta do tributo, mas isso acabou não acontecendo.

Últimas notícias