metropoles.com

Em encontro com “brigada paraquedista”, Bolsonaro reza e faz flexão

O presidente recebeu o grupo no Palácio do Alvorada após participar de um ato a favor do governo federal. Eles não falaram com a imprensa

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução/Facebook
Jair Bolsonaro faz flexão
1 de 1 Jair Bolsonaro faz flexão - Foto: Reprodução/Facebook

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), recebeu na tarde deste domingo (17/05), no Palácio do Alvorada, um grupo que se vestia com roupas supostamente pertencentes à “Brigada Paraquedista do Exército”. No encontro, Bolsonaro fez flexão e rezou com os apoiadores que se recusaram a informar se eram, realmente, membros das forças armadas.

O Palácio do Planalto foi procurado para esclarecer se os apoiadores eram ou não membros do Exército, mas não se manifestou até a última edição desta reportagem. O espaço continua aberto.

“Reconhecemos que somos um povo abençoado e temos um presidente escolhido por ti, um presidente abençoado. Proteja ele, sua família, e todos que tenham seu sangue”, disseram os apoiadores. Após a oração, entoaram juntos: “Bolsonaro somos nós”. E fizeram flexão (foto em destaque).

Mais cedo, Bolsonaro deixou o Alvorada e foi ao Palácio do Planalto participar da manifestação favorável ao governo federal. Acompanhado de ministros e de dois filhos, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos), o presidente desceu a rampa do Planalto e cumprimentou apoiadores que o aguardavam no local.

O protesto gerou aglomeração e alguns manifestantes estavam sem máscaras. Seu filho mais velho, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos), não foi ao encontro. No sábado (16/05), seu suplente, o empresário Paulo Marinho, denunciou uma suposta influência de um delegado da Polícia Federal a favor da campanha de Jair Bolsonaro em 2018.

Apesar de não ter discursado aos manifestantes, o presidente fez uma transmissão ao vivo em seu perfil nas redes sociais. Ele celebrou que o protesto não atentou contra as instituições democráticas e agradeceu a presença dos apoiadores. Ainda assim, havia faixas que pregavam contra o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Congresso.

0

Silêncio
Bolsonaro ainda não falou oficialmente nem sobre a saída do ex-ministro da Saúde Nelson Teich do cargo, nem sobre as denúncias contra o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos), feitas pelo suplente dele, Paulo Marinho. O empresário afirmou que membros da Polícia Federal teriam avisado Flávio sobre a operação que apurava a “rachadinha” em seu gabinete de deputado estadual, no Rio de Janeiro.

Em nota, o senador negou as acusações e disse que o suplente estaria “desesperado” por não ter conquistado votos suficientes e de ter “sido tomado pela ambição” de ocupar a vaga dele no Senado Federal.

“O desespero de Paulo Marinho causa um pouco de pena. Preferiu virar as costas a quem lhe estendeu a mão. Trocou a família Bolsonaro por Dória e Witzel, parece ter sido tomado pela ambição”.

O suplente de Flávio alegou que um delegado simpatizante da candidatura do pai dele à Presidência teria contado sobre as ações futuras da PF e que a corporação teria adiado a operação Furna da Onça, que teve em Fabrício Queiroz – ex-chefe de gabinete de Flávio – um dos seus principais alvos, para ajudar a família nas eleições.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações