Câmara aprova MP que abre caminho para privatização da Eletrobras

A aprovação é uma vitória do governo, que precisava da aprovação para que a matéria não perdesse a validade nesta terça-feira

atualizado 21/06/2021 18:58

Reprodução

Por 258 votos a 136, e 5 abstenções, a Câmara dos Deputados concluiu nesta segunda-feira (21/6) a votação das emendas feitas pelo Senado à medida provisória que abre caminho para a privatização da Eletrobras, estatal hoje vinculada ao Ministério de Minas e Energia. A empresa responde por 30% da energia gerada no país

A aprovação é uma vitória do governo, que precisava da conclusão da discussão no Congresso, visto que a matéria perderia a validade na terça-feira (22/6). Com isso, a matéria vai a sanção presidencial.

O relator da proposta na Câmara, deputado Elmar Nascimento (DEM-BA), acatou 95% das modificações feitas no Senado, onde a relatoria da proposta foi feita pelo senador Marcos Rogério (DEM-RO).

No Senado, o governo obteve vitória apertada, com 42 votos a favor e 37 contrários.

Após a aprovação do relatório, os deputados também rejeitaram, por 394 votos a favor, e 2 contrários, emendas aprovadas pelo Senado que não tinham sido acatadas pelo relator.

“Reestatização”

Durante a discussão, a presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR), anunciou que o partido apresentará um projeto de decreto legislativo para tentar reverter a privatização. “Não há como se decidir uma matéria dessas sem ouvir a sociedade, sem a realização de audiências públicas”, disse a deputada.

Outros petistas avisaram ainda que, caso o partido volte ao poder, lutará para a reestatização da companhia.

“Pode escrever, a oposição luta para voltar ao poder nesse país. Isso acontecendo, a Eletrobras será reestatizada”, disse o líder da Minora, Henrique Fontana (PT-RS).

Emendas

O relator apresentou seu parecer às 28 emendas do Senado à Medida Provisória 1031/21 e recomendou a rejeição total de cinco, a aprovação total de 21 e a aprovação parcial de duas.

Uma das emendas aprovadas limita a 1% das ações remanescentes da Eletrobras em poder da União o lote que poderá ser comprado  pelos empregados da empresa e de suas subsidiárias em virtude de demissão.

O texto também determina ao Executivo contratar os empregados da Eletrobras demitidos sem justa causa nos 12 meses seguintes à desestatização em empresas públicas federais para cargos de mesma natureza e com salários equivalentes aos anteriormente recebidos. O texto da Câmara previa que essa contratação seria facultativa.

Terras indígenas

Nascimento recomendou ainda a aprovação de emenda prevendo que a desestatização da Eletrobras não impedirá as obras do Linhão de Tucuruí, permitindo o início das obras depois de concluído e entregue aos indígenas o Plano Básico Ambiental-Componente Indígena (PBA-CI), elaborado pela Funai como parte do licenciamento ambiental.

A linha de transmissão passará por 123 km de terras dos Waimiri-Atroari para interligar Roraima ao Sistema Interligado Nacional (SIN).

A deputada Joênia Wapichana (Rede/RR) alertou que as comunidades não foram ouvidas e não concordam com a passagem do linhão por suas terras.

Rio Tocantins

Os senadores incluem o rio Tocantins ao lado do rio Madeira como beneficiários de recursos para garantir sua navegabilidade.

O dinheiro virá de recursos que a Eletronorte deverá destinar a programas de redução estrutural de custos de geração de energia na Amazônia.

Do total anual de R$ 295 milhões anuais, 20% deverão ser investidos na navegabilidade do Madeira e 10% na do Tocantins.

Subsidiárias

O texto prevê ainda como condição para a desestatização da Eletrobras a aprovação, por assembleia-geral da empresa, de que suas subsidiárias não serão extintas, incorporadas ou fundidas por um mínimo de 10 anos.

Isso abrange a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf) em Pernambuco; a Furnas Centrais Elétricas no Rio de Janeiro; a Eletronorte no Distrito Federal e a Eletrosul em Santa Catarina.

Pontos retirados

Um dos pontos retirados do texto aprovado no Senado é o que determina o pagamento ao estado do Piauí, a título de indenização, da diferença entre o valor mínimo estipulado para a venda da distribuidora estatal Cepisa e o que foi pago antecipadamente, quando houve a federalização da companhia que antecedeu sua privatização.

O relator informou que o governo ainda não considera essa dívida, que está sendo motivo de disputa judicial.

Além disso, o relator retirou do texto a previsão de se estabelecer uma transição, de 1º de janeiro de 2023 a 1º de julho de 2026, para que todos os consumidores possam optar pela compra de energia elétrica de qualquer concessionário. Atualmente, apenas quem consome 3 mil kW pode fazer essa opção.

0

Mais lidas
Últimas notícias