Bolsonaro reafirma interesse de instalar embaixada em Jerusalém

A proposta é defendida pelo presidente eleito desde a campanha eleitoral pelo Palácio do Planalto

atualizado 14/11/2018 19:08

Michael Melo / Metrópoles

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, segue em defesa da ideia de transferir a embaixada do Brasil em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém. Segundo o futuro chefe do Executivo federal, a independência do governo brasileiro deve ser respeitada em qualquer lugar.

“Quem decide onde é a capital do seu país é o seu governo. Se o Brasil fosse abrir a embaixada em Israel agora seria Tel Aviv ou Jerusalém? Com toda certeza seria Jerusalém. Nós temos no Brasil todo tipo de gente e vivemos em perfeita harmonia. Agora a independência do governo brasileiro tem de ser respeitada em qualquer lugar”, declarou Bolsonaro a jornalistas nesta quarta-feira (14/11).

A transferência da representação do Brasil para Jerusalém pode provocar um atrito com países árabes. A mudança reconheceria, pelo menos ao governo brasileiro, que a capital de Israel é Jerusalém, um território santo para diversas religiões. A cidade é reivindicada pela Palestina, o que a coloca no centro dos conflitos no Oriente Médio.

A proposta é uma ideia defendida desde a campanha eleitoral pelo Palácio do Planalto. O presidente eleito mantém uma boa relação com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, que já convidou o brasileiro para uma visita ao país.

Caso se confirme a transferência, Bolsonaro seguirá ideias de Donald Trump. Em 2017, 128 países foram contrários à declaração do presidente norte-americano de que a cidade é a capital de Israel. Apenas oito países ficaram ao lado de Trump na Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU). O Brasil reconhece o Estado palestino desde 2010.

Últimas notícias