Bolsonaro evita polemizar com Lula: “Continua um condenado”

Presidente viajou à Paraíba para inaugurar um complexo com mais de 4 mil moradias do Minha Casa Minha Vida

Rafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 11/11/2019 14:48

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) evitou fazer comentários sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) que, após sair da prisão, na última sexta-feira (08/11/2019), fez um discurso repleto de ataques ao atual governo.

Ao ser questionado, Bolsonaro disse que queria evitar polêmicas com o petista. “Não vou polemizar, ele continua condenado”, afirmou o presidente, pouco antes de participar da cerimônia de entrega de 4,1 mil casas do programa Minha Casa Minha Vida em Campina Grande, segunda maior cidade da Paraíba.

Em cerimônia fechada para convidados, o presidente fez questão de mostrar sua disposição em formar um grupo político capaz de fazer frente ao apoio que Lula tem na região. Bolsonaro afagou tucanos, como o ex-senador e ex-governador do estado Cássio Cunha Lima, recebeu apoio da atual vice-governadora Lígia Feliciano (PDT), que substituiu o governador João Azevedo (PSB) no evento.

Apesar de inaugurar um complexo habitacional idealizado pelos governos do PT, o presidente procurou informar que políticos de outras denominações contribuíram para que a obra fosse realizada, citando deputados da região e, mais uma vez, o tucano. “Ninguém faz nada sozinho. Temos que trabalhar em equipe”, afirmou.

O presidente elogiou ainda políticos nordestinos que têm ajudado o governo a aprovar pautas no Congresso Nacional. “Temos que ter bons políticos ao nosso lado. Graças a Deus, o quadro de políticos no Brasil melhorou bastante. Temos aprovado muita coisa na Câmara e no Senado, com convencimento e entendimento. Isso faz uma boa política para o Brasil”, apontou Bolsonaro.

Segundo o presidente, com o governo, o país começou a recuperar a confiança internacional. “Muitos que não investiam no Brasil, dada a confiança que vem sendo restabelecida por toda a nossa classe política, anunciaram vultosos investimentos na nossa pátria. Grande parte disso virá para o Nordeste”, prometeu.

O chefe do Executivo classificou como “um grande sonho” entregar um país melhor para o sucessor: “O maior é, lá na frente, entregar o Brasil ao meu sucessor bem melhor do que aquele que recebi”.

Últimas notícias