Bolsonaro diz que Marcelo Álvaro Antônio foi “quase ex-ministro” do Turismo

Presidente destacou que a pandemia afetou profundamente o setor no país e espera que a situação volte ao antigo patamar

atualizado 27/08/2020 11:42

Marcos Corrêa/PR

Investigado pelo Ministério Público Federal (MPF) por suspeita de ter patrocinado candidaturas laranjas nas eleições de 2018, o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, foi chamado pelo presidente Jair Bolsonaro de “quase ex-ministro” durante evento de lançamento da pedra fundamental das obras de duplicação da rodovia BR-469, nesta quinta-feira (27/8).

“Cumprimento aqui Marcelo Álvaro Antônio, nosso quase ex-ministro do Turismo, porque o turismo quase foi a pique com a pandemia, mas está se recuperando agora e com certeza vai chegar aos mesmos níveis que se encontrava no começo do corrente ano”, destacou o mandatário do país.

0
“Laranjal do PSL”

Pela investigação, o PSL inscreveu candidatas sem a intenção de que elas fossem, de fato, eleitas — apenas para obedecer à determinação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de que pelo menos 30% dos recursos do fundo eleitoral devem ser destinados a candidaturas femininas. A intenção do partido, de acordo com a PF, era repassar o dinheiro a candidatos homens.

Segundo inquérito da PF, Álvaro Antônio, então presidente estadual do PSL em MG, “era e ainda é o ‘dono’” do partido no estado.

No indiciamento, a PF afirma que o então presidente do PSL em Minas “possuía o total domínio do fato, controle pleno da situação, com poder de decidir a continuidade ou interrupção do repasse de recursos do fundo partidário”.

Marcelo Álvaro Antônio tem negado repetidamente qualquer envolvimento em algum esquema de desvio de recursos destinados às candidatas do partido.

“Apesar de ter sido profundamente investigado durante esses oito meses de inquérito instaurado, não há um depoimento ou prova sequer que demonstre qualquer ilícito imputável ao ministro”, alega a defesa do titular do Turismo.

Últimas notícias