Relator: ideologia na reforma tributária é “imbecilização da política”

O senador defendeu o “jejum ideológico” na proposta que simplifica os impostos nacionais

Rafaela Felicciano/MetrópolesRafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 11/09/2019 15:52

Ao governo, o relator da reforma tributária no Senado Federal, Roberto Rocha (PSDB-MA), disse que ter ideologia no Executivo é a “imbecilização da política”. O tucano defendeu o “jejum ideológico” na proposta que simplifica os impostos nacionais.

“Essa é uma matéria de Estado e não de governo. Não estamos legislando para o [presidente da República] Jair Bolsonaro (PSL), estamos fazendo para o país. Somos brasileiros, ninguém tem plano B, Brasil B”, ressaltou.

O senador explicou que a ideologia pode até estar presente entre os parlamentares da Câmara, que representam segmentos, mas não no Executivo, que é “majoritário” e precisa prover pontos básicos, como saúde, educação e infraestrutura.

Rocha vai se encontrar com o ministro da Economia, Paulo Guedes, para debater os pontos defendidos pelo governo para a reforma. A expectativa do congressista é de que a equipe econômica envie até quinta (12/09/2019) as medidas que pretende implantar no projeto.

A reforma tributária do Senado tramita na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa. Na Câmara, já foi aprovada na CCJ e agora é analisada por uma comissão especial.

Últimas notícias