PF: há elementos que ligam ministro do Turismo a candidaturas laranja

Denúncias apontam que, em Minas, o PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, tinha esquema para desviar dinheiro público

Reprodução / FacebookReprodução / Facebook

atualizado 05/04/2019 10:15

A Polícia Federal chegou à conclusão de que há elementos sobre a participação do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, no esquema que usava candidaturas laranja no PSL de Minas Gerais para desviar dinheiro do Fundo Eleitoral. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Inicialmente, os investigadores da PF trabalham com a suspeita de crime de falsidade ideológica, mas não descartam o de lavagem de dinheiro. As apurações ainda são iniciais – a polícia quer identificar o grau de envolvimento do ministro de Jair Bolsonaro (PSL) com o esquema dentro da legenda.

O jornal revelou um sistema dentro do partido em MG que usava candidaturas de laranjas para desviar dinheiro público de campanha. Mulheres foram convidadas a concorrer a uma vaga no último pleito, em 2018, mas parte do dinheiro recebido por elas para a campanha deveria ser devolvido à direção da sigla.

Umas das candidatas ouvidas pela Folha, Zuleide Oliveira contou que se reuniu pessoalmente com o ministro, que fez a proposta a ela. Zuleide receberia R$ 60 mil para campanha, mas deveria devolver R$ 45 mil. Até agora, são quatro denúncias contra Álvaro Antônio.

As denunciantes apontaram que negociações também foram feitas com assessores do ministro do Turismo, à época candidato a um cargo como deputado federal.

Até o momento, Marcelo tem negado todas as acusações.

Últimas notícias