*
 

A Polícia Federal (PF) diz ter encontrado evidências de que a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) recebeu R$ 885 mil em um esquema de corrupção alvo da Lava Jato. No relatório final do inquérito, enviado ao ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), o delegado Ricardo Hiroshi Ishida apresenta cinco repasses que totalizam o valor. Por essas razões a parlamentar pode ser enquadrada nos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

Quatro repasses citados, segundo a PF, estão relacionados à empresa Consist, investigada na operação Custo Brasil, desdobramento da Lava Jato em São Paulo. O quinto, no valor de R$ 300 mil, teria como origem a empresa TAM Linhas Aéreas, mas os documentos sobre o pagamento também foram apreendidos na Custo Brasil.

Todos os pagamentos teriam sido efetuados por meio do escritório do advogado Guilherme Gonçalves, que atuou para a presidente nacional do PT e para seu marido, o ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo.

Na operação, deflagrada em 23 de junho de 2017, foi preso Paulo Bernardo – solto seis dias depois por ordem do ministro do STF Dias Toffoli. O alvo da investigação é a assinatura de um contrato entre o Ministério do Planejamento, o Sindicato Nacional das Entidades Abertas de Previdência Complementar (SINAPP) e a Associação Brasileira de Bancos (ABBC).

O objeto do contrato era a gestão de empréstimos bancários consignados para evitar que trabalhadores excedessem a cota permitida por lei. Após a celebração do acordo, as entidades contrataram a Consist Software Ltda.

O esquema criminoso envolvendo a Consist, segundo a PF, teria desviado cerca de R$ 100 milhões de contrato assinado quando Paulo Bernardo, marido da presidente do PT, era ministro do Planejamento. Ele ocupou o cargo entre 2005 e 2011.

Ao analisar planilhas apreendidas na operação, ouvir pessoas envolvidas e mapear o caminho do dinheiro por meio de quebra s de sigilo, a PF encontrou indícios de que, juntos, o casal Gleisi e Paulo Bernardo e pessoas ligadas a ele receberam cerca de R$ 7 milhões do “fundo consist”.

“Tais pagamentos aparecem como tendo sido feitos regularmente pelo escritório de Guilherme Gonçalves, mas na realidade tratavam-se de valores de corrupção recebidos pelo escritório de Guilherme Gonçalves”, explica o delegado no relatório.

Repasses
Além dos valores repassados para Gleisi Hoffman, a PF mapeou que o “fundo consist” foi utilizado para pagar pessoas próximas a senadora – e, também, para custear gastos de sua família. Ouvido no inquérito, um dos funcionários do escritório de Guilherme Gonçalves, Luis Henrique Bender, afirmou que seu patrão pagava os honorários para um advogado de Paulo Bernardo.

Além disso, segundo Bender, em determinada ocasião, Gonçalves solicitou que ele comprasse um videogame Nintendo 3DS “para o filho do ministro”. De acordo com Bender, o único ministro que frequentava o escritório era Bernardo.

TAM
Ouvido sobre o repasse de R$ 300 mil da TAM para seu escritório, o advogado Guilherme Gonçalves confirmou que não houve prestação de serviços por parte de seu escritório. Segundo ele, o valor teria “sido pagamento de honorários de campanha de Gleisi Hoffman em 2010”.

A informação sobre o pagamento foi encontrada pela PF em uma planilha chamada “eleitoral Gleisi” apreendida com o advogado Guilherme Gonçalves na Custo Brasil. O ex-presidente da TAM Marco Bologna foi ouvido duas vezes pelos investigadores. Na primeira, não soube das explicações sobre a contratação do escritório de advocacia de Gonçalves.

No segundo testemunho, Bologna disse que o ex-diretor Jurídico da empresa poderia ter mais informações e acrescentou que não havia motivo ou contrapartida para fazer pagamento à senadora e seu marido. Ouvido, o ex-diretor jurídico Luiz Cláudio Mattos afirmou que Bologna foi responsável pela indicação para contratação do escritório de Guilherme Gonçalves.

Defesa
E nota, a senadora questionou o teor das acusações. Veja na íntegra:

“Como é que um processo que corre em segredo de Justiça tem um suposto relatório vazado para a imprensa, sem que isso seja do meu conhecimento ou da minha defesa? Com que objetivo?

Nunca tive contas pagas por terceiros nem recebi dinheiro ilegal para mim ou para campanhas eleitorais. A investigação a que se refere a reportagem se arrasta há dois anos e meio e não concluiu nada, a julgar pelas insinuações levianas, que remetem a terceiros, ao invés de sustentar acusações concretas. Não há qualquer fato ou prova que possa levar a isso.

Lamento que esteja sendo mais uma vez vítima de calúnias e de perseguição político-judicial-midiática. Só posso entender essa sanha de inquéritos em razão de minhas posições políticas e por estar ocupando a presidência do PT, partido que a Operação Lava Jato e a mídia golpista tratam como inimigo a ser abatido.”