LGBTs: no Twitter, Bolsonaro diz que minorias não perderão direitos

Na véspera, MP mudara responsabilidade pela Diretoria de Promoção dos Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais

Rafaela Felicciano/MetrópolesRafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 03/01/2019 20:08

O presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), foi ao Twitter declarar, nesta quinta-feira (3/1), que “qualquer indivíduo” incluído nas diretrizes dos direitos humanos não perderá o auxílio do seu governo. A mensagem foi publicada um dia após uma medida provisória transferir responsabilidade da Diretoria de Promoção dos Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Anteriormente, o órgão era vinculado à Secretaria Nacional de Cidadania. No governo Bolsonaro ficará com a Secretaria Nacional de Proteção Global.

Em sequência à mensagem, Bolsonaro disse que muitos brasileiros “perderam sua valiosa individualidade para se tornarem objeto e fonte de renda de políticos” e os classificou como “massa de manobra”.

“Teremos um diálogo aberto com a comunidade LGBT. Nenhum direito conquistado pela comunidade será violado”, afirmou a ministra Damares Alves, titular do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. “As demandas da comunidade LGBT nunca foram cuidadas por uma secretaria, sempre foram cuidadas por uma diretoria. E o presidente Bolsonaro respeitou essa estrutura. Portanto, a comunidade LGBT continua com a estrutura que tinha no ministério”, argumentou.

Reação
A transferência da diretoria responsável pelos direitos dos LGBTs foi duramente criticada por setores de representação de minorias sociais. Alguns pontos da Esplanada dos Ministérios foram cobertos, na noite dessa quarta-feira (2/1), de projeções com dizeres a favor do movimento LGBT. A publicação foi compartilhada por vários internautas (veja abaixo).

Últimas notícias