“Mula qualificada”, diz Mourão sobre militar com 39 kg de cocaína

O presidente em exercício, que é general da reserva, defendeu punição exemplar ao sargento flagrado com 39 quilos de cocaína na Espanha

Romério Cunha/VPRRomério Cunha/VPR

atualizado 26/06/2019 22:03

O presidente em exercício, Hamilton Mourão (PRTB), comentou a detenção do militar e tripulante de uma comitiva que acompanhava o presidente Jair Bolsonaro (PSL), que está indo ao Japão, flagrado com 39 kg de cocaína na Espanha. Segundo o militar, as Forças Armadas “não estão imunes” ao problema das drogas.

“As Forças Armadas não estão imunes a esse flagelo da droga. Isso não é a primeira vez que acontece, seja na Marinha, seja no Exército, seja na Força Aérea. Agora, a legislação vai cumprir o seu papel, e esse elemento será julgado por tráfico internacional de drogas e terá uma punição bem pesada”, informou Mourão.

Ao avaliar as condições nas quais o militar foi flagrado, Mourão considerou que o militar preso deveria ter conexões no país europeu. “Não brotou da cabeça dele, há conexões ai”, completou. “Ele não agiu apenas como ‘mula qualificada'”. O depoimento foi dado à rádio Gaucha, nesta quarta-feira (26/06/2019).

Mais cedo, o vice-presidente falou ainda que o 2º sargento da Aeronáutica estaria no avião do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), no retorno dele ao Brasil.

“Quando tem essas viagens, vai uma tripulação que fica no meio do caminho, então, quando o presidente voltasse agora do Japão, essa tripulação iria embarcar no avião dele. Então seria Sevilha — Brasil”, afirmou o presidente em exercício à imprensa, na saída de seu gabinete no anexo do Palácio do Planalto.

À noite, Mourão se corrigiu: “Eu fui informado pelo Gabinete de Segurança Institucional agora corretamente. Eu não tinha todas as informações quando eu falei de manhã, de que ele estaria somente na equipe de apoio, não estaria em momento algum na aeronave do presidente.”

Caso
Um militar da Força Aérea Brasileira (FAB) foi preso na Espanha por tráfico de drogas nessa terça-feira (25/06/2019). Ele era tripulante do voo que dava apoio à comitiva do presidente Jair Bolsoanaro (PSL), que participa da Cúpula do G-20, no Japão.

Nesta quarta-feira (26/06/2019), autoridades espanholas informaram que o sargento, cujo nome não foi divulgado, foi flagrado com 39 quilos de cocaína divididos em 37 pacotes em uma mala de mão. O brasileiro foi detido no Aeroporto de Sevilha. Ele deixou a Base Aérea de Brasília no avião reserva da Presidência, com três tripulações.

A comitiva de apoio à equipe presidencial fez escala na cidade espanhola antes de seguir para o Japão, onde Bolsonaro participará da reunião de líderes das 20 maiores economias do mundo, o G20.

O presidente Jair Bolsonaro comentou o caso na sua conta pessoal do Twitter:

 

Últimas notícias