Moro diz que não “há anormalidade” nas conversas com Lava Jato

Diálogos com integrantes da força-tarefa mostram o então juiz orientando o procurador Deltan Dallagnol: "Vazamentos são sensacionalistas"

Reprodução/GloboNewsReprodução/GloboNews

atualizado 10/06/2019 11:04

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, criticou, por meio de nota, neste domingo (09/06/2019), a divulgação de conversas entre ele e promotores da Lava Jato, quando ainda exercia a função de juiz. Moro negou haver “anormalidades ou direcionamento” nas investigações e chamou o conteúdo da matéria de “sensacionalismo”.

Segundo reportagem do site Intercept, o atual ministro e o coordenador da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, teriam trocado mensagens de texto em que o então juiz federal teria ido muito além do papel que lhe cabia quando julgou casos da operação.

A publicação traz uma série de mensagens privadas, gravações em áudio, vídeos, fotos, documentos judiciais e outros itens compartilhados entre os dois, o que seria inconstitucional, pois no sistema acusatório no processo penal brasileiro, figuras do acusador e do julgador não podem se misturar.

Em nota do ministro Sergio Moro, divulgada por meio de sua assessoria, ele criticou a matéria. Confira a íntegra do texto:

“Sobre supostas mensagens que me envolveriam publicadas pelo site Intercept neste domingo, 9 de junho, lamenta-se a falta de indicação de fonte de pessoa responsável pela invasão criminosa de celulares de procuradores. Assim como a postura do site que não entrou em contato antes da publicação, contrariando regra básica do jornalismo.

Quanto ao conteúdo das mensagens que me citam, não se vislumbra qualquer anormalidade ou direcionamento da atuação enquanto magistrado, apesar de terem sido retiradas de contexto e do sensacionalismo das matérias, que ignoram o gigantesco esquema de corrupção revelado pela Operação Lava Jato”.

O ministro replicou a nota na sua conta do Twitter:

 

Últimas notícias