Militantes do PT aguardam Lula em São Bernardo do Campo (SP)

Ex-presidente deve discursar por volta de 13h. Representantes de esquerda e movimentos sociais se aglomeram na região

Rebeca Figueiredo Amorim/Getty ImagesRebeca Figueiredo Amorim/Getty Images

atualizado 09/11/2019 11:53

São Bernardo do Campo (SP) – Desde a madrugada deste sábado (09/11/2019), apoiadores do ex-presidente Lula se aglomeram no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP). Por volta de 13h, ele fará seu segundo discurso após ser solto. Na sexta (08/11/2019), falou por cerca de 15 minutos após deixar a carceragem da Polícia Federal, em Curitiba.

Petistas, representantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), do Partido Socialismo e Liberdade (PSol) e de movimentos sociais aguardam a chegada de Lula com palavras de ordem enaltecendo a inocência do petista, que saiu da cela improvisada de Curitiba na tarde de ontem, onde cumpria pena desde 7 de abril de 2018.

Aos poucos, vão chegando caravanas de várias cidades de dentro e fora de São Paulo portando faixas e cartazes com dizeres da campanha “Lula Livre” e cantando palavras de ordem como “Lula lá”, trecho de um dos mais famosos jingles de campanha do PT, de 1989. Sobre o caminhão de som em que Lula fará seu discurso, os técnicos fazem os ajustes.

Muitos ambulantes aproveitam o evento para fazer dinheiro e abastecem a multidão, no local desde as primeiras horas deste sábado, com bebidas e espetinhos de churrasco. O policiamento é grande. Mas os policiais também transitam com tranquilidade no local.

Militância

A educadora ambiental Dora Lima, 64 anos, comemora a liberdade de Lula, a quem considera inocente e vítima de perseguição política. “Eles queriam vender tudo no Brasil, principalmente o pré-sal.”

Yago Sales/Especial para o Metrópoles
Dora Lima, educadora ambiental e militante do PT: à espera de Lula em São Bernardo do Campo

Com um amuleto com a fotografia de Lula dos anos 1980 pendurada no pescoço, Fabiano Leitão, de 40 anos, é um dos apoiadores do ex-presidente mais abraçados na sede do Sindicato dos Metalúrgicos em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista.

Ele é o trompetista que percorreu o Brasil. Somente em Curitiba, apareceu mais de 20 vezes durante os 580 dias de prisão do petista. Leitão, no entanto, não se considera o trompetista oficial do PT. “Uso o instrumento para a militância. Aprendi a tocar e uso o trompete a serviço do povo, e Lula sintetiza a luta pelo povo.”

Em entrevista ao Metrópoles, Leitão lembra que não raramente é ameaçado por antipetistas, principalmente nas redes sociais. “Não vou desistir”, afirma ele, que espera se encontrar, pela primeira vez, com Lula neste sábado (09/11/2019).

Com informações da Agência Estado

Últimas notícias