*
 

Enviadas especiais a Curitiba (PR) – Após decisão da Justiça que impediu nove governadores e três senadores de visitarem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na tarde desta terça-feira (10/4), os políticos deixaram uma carta a ser entregue pela Polícia Federal ao petista. “Estivemos aqui e sempre estaremos. Ao seu lado, firmes na luta”, traz o documento, assinado por todos eles.

Divulgação
A missiva ainda diz que a “lei de execução penal não foi cumprida adequadamente” e, por isso, os governadores e senadores não puderam abraçar Lula pessoalmente.

“Mas, por nosso intermédio, milhões de brasileiros e brasileiras estão solidários e sendo a sua voz por um Brasil justo, democrático, soberano e livre”, termina a carta.

De acordo com os governadores do Maranhão e do Piauí – Flávio Dino (PCdoB) e Wellington Dias (PT), respectivamente, os quais falaram com a imprensa na saída da Superintendência da PF em Curitiba –, o grupo deixou outra carta, solicitando reunião com a presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia. O objetivo do encontro é tratar da prisão do ex-presidente e da votação das ações diretas de constitucionalidade (ADCs) em tramitação na Corte com relação à revisão da legislação que autoriza a prisão após condenação em segunda instância.

Além de Dino e Dias, estiveram na Superintendência da Polícia Federal na capital paranaense os também governadores Tião Viana (PT-AC), Renan Filho (MDB-AL), Rui Costa (PT-BA), Camilo Santana (PT-CE), Paulo Câmara (PSB-PE), Waldez Goés (PDT-AP) e Ricardo Coutinho (PSB-PB).

O superintendente substituto da PF, Roberval Vicalvi, e o delegado responsável pela Lava Jato Igor de Paula receberam o grupo.

Confira fotos: 

Visitas
Por enquanto, apenas o advogado de Lula, Cristiano Zanin, o visitou. Ele estará novamente com o político na tarde desta terça-feira (10/4). Agora há pouco, a presidente do Partido dos Trabalhadores, senadora Gleisi Hoffmann, confirmou ao Metrópoles que irá aproveitar o fato de ter carteirinha da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para entrar na lista dos defensores do ex-presidente e, assim, ter direito a visitá-lo.

Gleisi acredita ainda que, nesta quarta (11), os filhos de Lula poderão vê-lo. A visita será confirmada ainda nesta tarde, quando Cristiano Zanin se reunirá com o ex-presidente.