“Esse 1º ano foi um inferno”, diz Weintraub sobre boletim nota zero

Divórcio dos pais, Plano Collor, depressão e um “acidente horroroso” foram as causas apresentadas pelo ministro para o mau desempenho na USP

Rafaela Felicciano/MetrópolesRafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 04/05/2019 11:54

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, publicou em seu Twitter um vídeo no qual explica as notas baixas que constam em seu boletim escolar vazado nesta sexta-feira (03/05/2019) na internet e viralizado nas redes sociais. Segundo o ministro, o boletim corresponde aos três primeiro semestres dele como aluno de ciências econômicas na Universidade de São Paulo (USP).

“Está circulando na internet o meu boletim dos primeiros três semestres na USP. Eu era muito jovem, entrei com 17 anos”, diz o ministro no começo do vídeo. Na sequência, Weintraub confirmou a autenticidade do documento e destacou que ele foi obtido de forma ilegal.

Segundo Weintraub, “esse primeiro ano foi um inferno” por uma série de acontecimentos, que incluem o divórcio de seus pais, o Plano Collor – “minha família desmanchou” –, uma depressão contra a qual lutou e um “acidente horroroso que me obrigou a colocar parafuso no braço”.

Ao mencionar o acidente e a cirurgia, o ministro abre a camisa no vídeo e aponta para uma cicatriz no ombro direito. “Fiquei seis meses sem poder escrever e só um professor me deixou fazer prova oral. Está aqui a cicatriz, 15 centímetros”, explica.

O boletim vazado mostra que Weintraub recebeu nota 0,5 em “Introdução à Economia I”, 2,0 em “Contabilidade e Análise de Balanço” e 0,0 em “Complementos de Matemática”, matérias do primeiro semestre, cursado em 1989.

Tombo e volta por cima
No segundo semestre, todas as matérias aparecem com nota 0, assim como as frequências de Weintraub às aulas. No terceiro, cursado em 1990 – ano em que foi anunciado o Plano Collor –, as notas sobem, sendo a maior 7,0, obtida em “Contabilidade e Análise de Balanço”.

No Twitter, Weintraub apresenta o vídeo com a frase “Já levei tombo na vida, mas dei a volta por cima”. Confira:

Últimas notícias