*
 

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) saiu em defesa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) devido às declarações do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), em que ele desqualifica a produção de dados de desemprego no país. Um dos diretores da entidade procurou o FMI e a OCDE para pedir vigilância diante de possíveis ações do novo governo.

Bolsonaro chamou de “farsa” os números atuais, divulgados mensalmente pelo órgão, vinculado ao Ministério do Planejamento e disse que vai mudar a metodologia de cálculo dos desempregados. Rafael Diez de Medina, chefe de estatísticas e diretor do Departamento de Estatísticas da OIT, diz que a declaração é “perigosa”.

“Ele questiona de uma maneira agressiva uma definição internacional”, afirma. Para Medina, o que preocupa é uma eventual erosão da independência das estatísticas diante do poder público. “A intromissão do sistema político é um perigo”, insistiu.

“Uma das premissas é a independência das estatísticas e autonomia com o objetivo de evitar a interferência política nessa elaboração. E isso implica seguir os padrões internacionais”, defendeu.

Em uma mensagem publicada nas redes sociais, Medina saiu em apoio do IBGE. “A OIT apoia fortemente a metodologia seguida pelo IBGE para estimar o emprego e o desemprego, seguindo padrões internacionais”, escreveu.

Em uma outra mensagem, ele vai além e aponta que está “extremamente preocupado sobre o futuro das estatísticas oficiais no Brasil”. “O sistema internacional de estatísticas estará em alerta e pronto para reagir a esses tipos de reações na Era Pós Verdade”, criticou.