Bolsonaro volta a pedir pressão popular para salvar decretos das armas

Câmara dos Deputados vai votar decreto legislativo que pode suspender os efeitos das medidas do presidente. Já houve derrota no Senado

Reprodução/FacebookReprodução/Facebook

atualizado 21/06/2019 14:00

Durante transmissão ao vivo realizada em São Paulo, na noite desta quinta-feira (20/06/2019), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) convocou novamente pressão popular para que a Câmara não derrube os decretos que flexibilizam as regras para posse, porte e comercialização de armas.

A instrução é para que cada cidadão procure o deputado federal em quem votou nas eleições e peça pela manutenção das medidas presidenciais.

“Antes que alguém fale que eu estou interferindo lá no Legislativo, deixo claro que, quando se aprova um projeto de lei lá na Câmara ou no Senado e vem para minha mesa, é comum comparecer deputado e senador me procurando para que eu vete um dispositivo”, afirmou Bolsonaro. 

Nesta semana, houve derrota no Senado. Por 47 votos a favor e 28 contra, parlamentares aprovaram o decreto legislativo proposto pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) contra as regras editadas pelo presidente Jair Bolsonaro.

A matéria foi encaminhada para a Câmara e deve ser analisada na próxima terça ou quarta-feira. Se a proposta de Randolfe receber a chancela dos deputados, os efeitos dos decretos presidenciais serão sustados.

“Eu acredito que a Câmara deva reverter essa situação. E você deve procurar seu deputado federal”, frisou o presidente repetidas vezes.

Geralmente, o mandatário do país aparece no vídeo semanal ao lado de convidados do governo, mas, desta vez, apenas uma tradutora de libras participou da transmissão.

Articulação política

A líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), afirma que o governo tem um “plano B”, mas não explica detalhes.

Governistas deixam claro que a ideia é fazer com que a flexibilização do porte e da posse de armas seja discutida na Câmara em forma de projeto de lei.

Apelos de Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro chegou a fazer diversos apelos públicos pedindo a aprovação do decreto. Ao comentar o resultado da CCJ na semana passada, chegou a dizer que não é o governo que perde, alegando que ele, como militar, já possui sua própria arma.

Na terça-feira (18/06/2019), durante o lançamento do Plano Safra 2019-2020, no Palácio do Planalto, Bolsonaro fez um pedido aos deputados e senadores presentes à solenidade para que os parlamentares não deixassem o decreto “morrer na Câmara ou no Senado”.

Últimas notícias