Bolsonaro sobre isenção de pena: “Temos que prestigiar policial”

Presidente anunciou envio de projeto de lei ao Congresso que livra agentes de segurança de punições em operações de GLO

Rafaela Felicciano/MetrópolesRafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 22/11/2019 11:45

Após anunciar o envio de projeto de lei que pretende isentar agentes de segurança de punições em operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que espera enfrentar resistência por parte da oposição no Legislativo.

“Existe a reação da esquerda. Os falsos direitos humanos, tá? Tudo, qualquer problema é culpa da polícia. Estados onde a polícia não foi para a rua viram a desgraça que aconteceu. Temos que prestigiar o policial”, frisou o chefe do Executivo nacional ao deixar o Palácio da Alvorada nesta sexta-feira (22/11/2019).

O mandatário da República evitou falar em prazo para a aprovação pelo Congresso do projeto de lei. Defendida pelo titular do Planalto, a proposta foi criada com o objetivo de trazer maior garantia jurídica nessas situações por meio do chamado excludente de ilicitude.

Bolsonaro disse, em transmissão ao vivo por rede social nessa quinta-feira (21/11/2019), que o PL faz parte de um pacote de quatro projetos preparados pelo governo.

Durante o lançamento do partido Aliança pelo Brasil, nessa quinta, o presidente anunciou o envio do projeto ao Congresso. Segundo Bolsonaro, a proposta contempla o Exército, a Marinha, a Aeronáutica, as polícias Federal, Rodoviária Federal, Ferroviária Federal, Civil e Militar, além do Corpo de Bombeiros.

O chefe do Executivo federal jogou para o Congresso a responsabilidade com o tema. E pontuou que “cabe ao Parlamento” a análise do projeto, o que chamou de “marco importante” na luta contra a criminalidade no Brasil.

Últimas notícias