Bolsonaro reclama de “democratização do ensino” e defende disciplina

Presidente ainda queixou-se de ações do Ministério Público que proibiam exigências de cortes de cabelos para meninos por parte de diretores

JP Rodrigues / MetrópolesJP Rodrigues / Metrópoles

atualizado 06/09/2019 7:50

Ao falar sobre a militarização de escolas nesta quinta-feira (05/09/2019), em cerimônia no Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) criticou governos anteriores por seguirem no caminho de democratizar o ensino no país. O chefe do Executivo defendeu a militarização como forma de se conseguir maior eficiência.

Para o presidente, as escolas militarizadas conseguem bons resultados porque impõem “disciplina”. “O que aconteceu com o ensino nas últimas décadas? Democratizou-se o ensino”, criticou o presidente.

“Por que a tendência nas escolas militares é dar certo? Sem querer desmerecer ou dizer que as outras não dão certo, mas uma taxa maior nas escolas militarizadas. Por quê? Tem disciplina”, respondeu.

Bolsonaro ainda reclamou de ações do Ministério Público que proibiam exigências de cortes de cabelos para meninos por parte de diretores de colégios militares. Segundo o presidente, o “problema educacional” era relacionado ao corte de cabelo e considerou a interferência do Ministério Público como uma “ingerência” na instituição de ensino.

“O MP, decidindo que em determinada escola militarizada no Brasil o diretor não poderia falar de corte de cabelo para os meninos, descobriu que o problema educacional era isso. Não tem cabimento isso daí. Respeitamos a independência das instituições brasileiras, mas isso aí é uma ingerência”, disse o presidente.

Últimas notícias