*
 

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), avalia fatiar as propostas para reformar a Previdência Social. A informação foi confirmada por ele mesmo em entrevista a jornalistas na tarde desta terça-feira (4/12), logo após deixar o gabinete de transição governamental, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Brasília. De acordo com Bolsonaro, a ideia é iniciar as discussões sobre mudanças relativas à idade mínima para aposentadoria.

“Pode ser fatiada, sim. Está forte a tendência de começar pela idade. É menos difícil [de aprovar]”, disse.

Na visão de Bolsonaro, a proposta de reforma da Previdência deve ser ideal o suficiente para não travar na Câmara e ou no Senado. Foi o que aconteceu com a proposta defendida pelo presidente Michel Temer. Bolsonaro disse que a ideia é “aumentar dois anos para todo mundo“.

“A questão da idade é o mais buscado. Nós devemos sim apresentar uma Proposta de Emenda à Constituição, a começar a reforma pela Previdência pública e com chance de ser aprovada. Não adianta ter uma proposta ideal que vai ficar na Câmara ou no Senado. O prejuízo seria muito grande”, declarou.

De acordo com Bolsonaro, “atacar privilégios” deverá ser um dos focos para reformar a Previdência Social. “Começar com a idade, atacar privilégios e tocar essa pauta para frente. A Previdência é uma realidade, cresce ano após ano e não podemos deixar o Brasil chegar a uma situação que chegou a Grécia”, afirmou.

Integral, só de 65 anos para cima
Segundo a proposta de reformulação da Previdência elaborada pela equipe de Bolsonaro, servidores públicos que ingressaram na carreira antes de 2003 só poderão se aposentar com salários integrais e tendo direito ao mesmo reajuste que os ativos (paridade) se atingirem idade mínima de 65 anos.

A medida, no entanto, não afetaria quem está na ativa e já atingiu os requisitos mínimos para aposentadoria, uma vez que teria direito adquirido. No entanto, ainda não está definido se haverá diferença de idade para aposentadoria de homens e de mulheres. O futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou nessa segunda-feira (3/12) que a ideia do novo presidente é fazer a reforma da Previdência sem correria, sem remendo, “um modelo que dure 30 anos”.