Bolsonaro rejeita tabelar carne e ironiza crise na Venezuela

Presidente afirmou que sempre há aumento de preço no fim do ano, mas avalia que tendência é de "volta à normalidade"

Rafaela Felicciano/MetrópolesRafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 13/12/2019 10:47

Pressionado por reclamações da população, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a negar, na noite desta quinta-feira (12/12/2019), a possibilidade de tabelar o preço da carne. Em transmissão ao vivo pela rede social, o chefe do Executivo federal ironizou a crise na Venezuela ao dizer que a medida “deu certo” no país vizinho. E emendou: “Lá não tem nem carne de cachorro para comer”.

“Alguns até me cobram, na internet, um tabelamento. O que tu acha disso, Montezano [presidente do BNDES]? Deu certo onde, Montezano? Na Venezuela? Na Venezuela deu certo. Lá não tem nem carne de cachorro para comer, gato, não tem mais nada. Todo mundo está igual, sem nada, na miséria. Não vamos fazer isso aqui”, afirmou.

Na live pelo Facebook, Bolsonaro reconheceu que a alta no preço supera o esperado para o período do ano e afirmou que a situação deve se normalizar quando houver aumento da produção no país. Uma das razões apontadas por ele para a falta do produto nas prateleiras é o crescimento da exportação.

“Alguns estão reclamando do preço. Concordo, realmente, subiu bastante. Mas todo ano, nessa época – novembro, dezembro, entressafra – há aumento [do preço] da carne. Não tanto quanto foi agora, mas existe esse aumento. Bem, o que está acontecendo também? Obviamente, o homem do campo está investindo mais na pecuária e, daqui a alguns meses, a tendência é voltar isso à normalidade”, disse.

Últimas notícias