Bolsonaro não foi “descortês” com Greta, defende porta-voz

Segundo Otávio Rêgo Barros, o termo "pirralha" apenas descreve crianças ou "pessoas de pequena estatura"

Isac Nóbrega/PRIsac Nóbrega/PR

atualizado 10/12/2019 18:56

Depois de o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chamar a ativista sueca Greta Thunberg de “pirralha”, o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, avaliou que o capitão da reserva não foi “descortês”. Segundo ele, o termo usado pelo chefe do Executivo Nacional apenas descreve um “pessoa de pequena estatura”, ou uma criança.

Ele disse ainda que chama o próprio filho de “pirralho” e questionou: “Onde que o presidente foi inadequado?”.

Bolsonaro chamou a ativista de “pirralha” nesta terça-feira (10/12/2019), ao ser questionado sobre a morte de dois índios da etnia Guajajara no Maranhão, no último sábado (07/12/2019).

“A Greta já falou que os índios morreram porque estavam defendendo a Amazônia. É impressionante a imprensa dar espaço para uma pirralha dessa aí. Pirralha”, disse ele.

Greta reagiu com ironia, colocando “pirralha” como sua descrição no Twitter.

Últimas notícias