*
 

O pré-candidato à Presidência da República pelo PSD, Guilherme Afif Domingos, afirmou nesta sexta-feira (13/7) em entrevista ao Metrópoles, que é contra a legalização do porte de armas para civis. O político disse ser favorável ao armamento e valorização das forças policiais, mas lamentou a falta de estrutura no sistema de segurança do país. ” Temos uma polícia mal-armada e mal-amada”, criticou o presidenciável.

Sobre os altos índices de criminalidade, Afif Domingos disse que deve haver rigor na aplicação das leis. “Hoje o criminoso sabe de cor o artigo. O cara comanda o crime de dentro da cadeia. Nós temos que ser muito rigorosos no processo de isolamento”, afirmou. A entrevista foi concedida ao colunista Caio Barbieri e ao editor de Brasil, Lúcio Lambranho.

Reveja a entrevista:

O pré-candidato também se pronunciou sobre a superlotação dos presídios no Brasil. De acordo com Afif, uma solução para o problema seria redirecionar presos por crimes “inofensivos” a cumprirem as penas de outra maneira, que não a detenção no sistema carcerário. “Cadeia é pra coisas efetivas. Temos que dar condição de quem teve um pequeno delito, ter uma reintegração e ser reinserido na sociedade”, pontuou.

Jovem X crime organizado
No rol das propostas para combater a violência, o postulante à presidência da República defende incentivos para que jovens de 14 anos possam ser inseridos no mercado de trabalho.

Qual é o menino que não quer comprar um tênis novo? Hoje ele sai da escola e infelizmente, no horário ocioso, muitos são aliciados por quadrilhas criminosas. A solução é trabalho, desde que não abandone a escola"
Guilherme Afif Domingos

Afif Domingos sugeriu a mudança da idade mínima de contratação para 14 anos em programas como o Jovem Aprendiz. “Da maneira que é hoje, ninguém quer contratar um menino de 14 anos para trabalhar em um armazém, por exemplo. O empresário tem medo porque vai ser acusado de exploração de menores”, critica.

O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) estabelece que a idade mínima para ser contratado é de 16 anos.

Intervenção militar
O pré-candidato também criticou a atual política de Intervenção Militar em que o Exército vai para as ruas combater a violência no Rio de Janeiro. Para ele, as Forças Armadas devem fiscalizar as fronteiras por onde entram as drogas e armas.

“Sou contra a sociedade armada. Essa história do Exército tomar conta da rua é um paliativo que não adianta nada. Forças Armadas precisam cuidar das fronteiras”, declarou.