Policiais identificam 93 explosivos espalhados pelas ruas de Araçatuba

Região central da cidade continua isolada, um dia após madrugada de terror com invasão. Cem quilos de explosivos são detonados em aterro

atualizado 31/08/2021 13:56

Ataque AraçatubaFabio Ishizawa

A Polícia Militar já identificou 93 artefatos explosivos espalhados por Araçatuba (SP). As bombas foram deixadas pela quadrilha fortemente armada que roubou bancos e fez reféns, resultando em três mortos e cinco feridos, na madrugada de segunda-feira (30/8).

Dos 93 explosivos identificados, 32 estavam em via pública, segundo a Companhia de Policiamento da Área do Interior da Polícia Militar. Outros 29 artefatos estavam em um caminhão, 19 em carros abandonados e 13 em um banco.

0

Os policiais do Grupo de Ações Táticas Especiais (GATE) ainda realizam um trabalho de varredura pelo centro de Araçatuba, nesta terça-feira (31/8). É uma busca minuciosa por possíveis artefatos abandonados, de acordo com a PM de São Paulo.

No entorno da Praça Rui Barbosa, onde ficam o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal, continua o isolamento com fitas zebradas e viaturas da Guarda Municipal. As atividades comerciais da região e as aulas das escolas públicas também continuam suspensas.

Os militares do GATE se concentram no bairro Água Branca, em uma área de aterro sanitário, realizando a detonação de 100 quilos de artefatos explosivos localizados, segundo a PMSP.

Pânico na madrugada

Uma quadrilha de cerca de 50 pessoas cercou e invadiu Araçatuba durante a madrugada de segunda, provocando terror na população. Os criminosos cercaram delegacias e utilizaram reféns como escudo humano, pendurados em veículos de fuga.

Durante a empreitada criminosa, três pessoas morreram, sendo dois civis e um bandido. Cinco pessoas foram feridas, sendo que quatro permanecem internadas. Um dos feridos é um ciclista de 25 anos que teve que amputar os dois pés, após detonação de uma bomba.

A Polícia Federal (PF) assumiu a investigação do caso. Quatro suspeitos já foram presos por suspeita de envolvimento no ataque.

Mais lidas
Últimas notícias