Polícia vê “legítima defesa” em operação que deixou 17 mortos

A facção criminosa envolvida, segundo o delegado, tinha a intenção de assassinar rivais para controle de áreas de tráfico em Manaus

atualizado 07/01/2020 16:49

Divulgação/ Adepol-AM

A Polícia Civil do Amazonas concluiu um inquérito que apurou a conduta de agentes durante operação deflagrada contra uma facção criminosa que deixou 17 mortos. De acordo com a polícia, a força-tarefa agiu “no estrito cumprimento do dever legal”.

Os investigadores disseram que não há indícios de homicídio doloso – quando há intenção de matar – praticado pelos agentes.

Na ação, realizada em outubro do ano passado, em Manaus (AM), 17 pessoas foram mortas. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, os policiais trocaram tiros com um grupo de traficantes.

A facção criminosa estaria se preparando para assassinar rivais, com o objetivo de controlar áreas do tráfico. De acordo com a polícia, uma denúncia anônima indicou que cerca de 50 pessoas armadas estariam em um caminhão-baú para o ataque.

A Polícia Civil afirmou que o inquérito não encontrou indícios do crime dos agentes e que, das mais de 30 testemunhas ouvidas na investigação, nenhuma deu informações nesse sentido.

Últimas notícias