Sob ameaça, jovens são obrigados a fazer sexo oral por supostos PMs

Os dois adolescentes reconheceram, nessa quarta-feira (10/07/2019), dois dos agressores. Agentes podem ser denunciados por estupro

ISTOCK/FOTO ILUSTRATIVAISTOCK/FOTO ILUSTRATIVA

atualizado 11/07/2019 16:13

Os dois jovens que denunciaram terem sofrido agressões e abuso sexual na estação de trem do Maracanã, no Rio de Janeiro, reconheceram, nessa quarta-feira (10/07/2019), dois policiais militares como autores da agressão. A Supervia identificou e demitiu dois seguranças que também teriam participado da ação, de acordo com O Dia.

As vítimas, um rapaz de 17 anos e outro de 18, contam que, no último domingo (07/07/2019), foram retiradas à força de um vagão por dois homens que se identificaram como policiais. Em seguida, sofreram abuso moral e sexual ao serem obrigadas a praticar sexo oral. A cena foi gravada e postada nas redes sociais.

O reconhecimento feito pelos adolescentes foi realizado por meio de um álbum de fotografias da Corregedoria da Polícia Militar. A corporação, agora, apura as informações passadas pelas vítimas. Se comprovada a veracidade, o próximo passo é identificar se os PMs estavam ou não em serviço.

Se comprovada a autoria do crime durante o horário de trabalho, será configurado crime militar e o caso será investigado pelo próprio órgão de investigação da PM. Contudo, se no momento do crime eles estavam de folga, a investigação ficará com a Polícia Civil.

De acordo com o delegado Roberto Ramos, titular da 18ª DP (Praça da Bandeira), um inquérito foi aberto para identificar os envolvidos nas agressões, que poderão responder por estupro, tortura e agressão. “Não há vontade dos dois em realizar o ato. A vontade é do agente que filma. Isso configura o crime de estupro”, disse.

Em nota, a PM informa que apura o caso e “a 3ª DPJM já está tomando as devidas providências. Nessa quarta-feira (10/07/2019), o governador Wilson Witzel garantiu que Estado não compactua com crimes. “Não temos bandido de estimação. Policial militar, civil ou servidor público que tenha praticado alguma infração penal, vai ser apurado com rigor e levado à julgamento”, disse.

Entenda
Supostos policiais militares obrigaram dois jovens a praticar sexo oral próximo à estação Maracanã da Supervia, no Rio de Janeiro, após abordá-los em uma composição. Os dois adolescentes contam que foram humilhados. Eles tiveram a cena gravada pelos agressores. O vídeo foi colocado na internet.

De acordo com os relatos dos jovens, eles foram abordados no trem por dois homens que se identificaram como policiais militares. Ambos admitem que são usuários de drogas e que iam comprar maconha em uma comunidade do Rio. Durante a abordagem, no entanto, os garotos não estavam com nenhuma substância ilícita.

Em seguida, os rapazes contam que foram violentamente tirados do vagão na estação Maracanã. Eles afirmam terem sido vítimas de agressões, ameaças e abusos. Ao todo, seis pessoas participaram da ação, sendo dois policiais e quatro guardinhas da Supervia.

“Mais que humilhação, covardia. Levou a gente para trás da estação. Começou a bater na gente. Jogou spray de pimenta, bateu com a arma na nossa cara, chutou a cabeça. Mandou a gente rolar no mijo, secar o mijo”, contou um dos jovens ao G1. Um deles revelou ainda que, com uma arma apontada, eles foram obrigados a praticar sexo oral, caso contrário seriam mortos.

Últimas notícias