Força-tarefa vai atuar por 45 dias nas prisões cearenses

O grupo exerce atividades e serviços de guarda, vigilância e custódia de presos de unidades prisionais

Wilson Dias/Agência BrasíliaWilson Dias/Agência Brasília

atualizado 29/01/2019 11:39

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, autorizou, nessa segunda-feira (28/1), o envio da Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária, por 45 dias, no Ceará. A portaria publicada no Diário Oficial da União atende ao pedido do governador Camilo Santana, ao ministro.

O período da autorização é retroativo, já que desde 14 de janeiro agentes federais atuam em presídios cearenses. O grupo exerce atividades e serviços de guarda, vigilância e custódia de presos de unidades prisionais.

O número de agentes que participam da ação não será informado por questões de segurança, afirmou o ministério da Justiça. A força-tarefa será composta por agentes federais de execução penal, além de agentes penitenciários do Piauí, Paraíba, Bahia, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Minas Gerais e Distrito Federal.

Desde o início do ano, o Ceará enfrenta uma onda de violência com ataques a ônibus e, também, prédios públicos e comerciais. As ordens dos ataques seriam dadas de dentro dos presídios por membros de facções criminosas.

Ações da Secretaria da Administração Penitenciária retiraram aparelhos de televisão e apreenderam 2.300 celulares, dentro de unidades prisionais do Ceará.

De acordo com o Ministério da Justiça e Segurança Pública, equipes especializadas do Departamento Penitenciário Nacional realizaram ações de intervenção, com sucesso, nas penitenciárias em Alcaçuz, no Rio Grande do Norte, e em Boa Vista, Roraima.

Cerca de 500 agentes da Força Nacional já atuam fora das unidades prisionais, em ações de segurança pública no estado.

Últimas notícias