Caso Marielle: Marinha detecta 9 objetos no mar onde arma pode estar

Mergulhadores farão novas buscas perto das Ilhas Tijucas, área em que homem ligado a Ronnie Lessa teria jogado caixas com armamentos

DivulgaçãoDivulgação

atualizado 05/07/2019 16:06

Um sonar da Marinha detectou nove objetos no fundo do mar em uma área próximo às Ilhas Tijucas, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. Mergulhadores farão novas buscas perto do local onde um amigo do principal acusado da morte da vereadora carioca Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, o policial militar reformado Ronnie Lessa, jogou caixas com fuzis e outras armas, segundo uma testemunha. As informações são do G1.

A polícia quer saber se, entre os objetos que teriam sido jogados no mar, está a arma utilizada no crime, uma submetralhadora MP5.

A Marinha utilizou sonares para encontrar os objetos. O alvo dos equipamentos utilizados tem tamanho aproximado que varia de 50 centímetros a 2 metros e está a uma profundidade de 15 metros a 30 metros.

A polícia já sabe que o homem que jogou as armas é Josinaldo Freitas, conhecido como Dijaca. Ele é amigo do policial militar Ronnie Lessa.

Barco contratado
Durante depoimento à Delegacia de Homicídios (DH) do Rio de Janeiro, um pescador contou que um aliado de Ronnie Lessa, acusado de assassinar a vereadora carioca Marielle Franco (PSol), contratou seu barco e jogou no mar seis fuzis próximo às Ilhas Tijucas.

A operação teria ocorrido dias após a prisão de Lessa, em 12 de março deste ano, e teria contado com a participação de quatro pessoas: Márcio Montavano, o Márcio Gordo, suspeito de ter jogado as armas ao mar; a mulher de Lessa, Elaine de Figueiredo Lessa; o irmão dela, Bruno Figueiredo; e um homem chamado Josinaldo Freitas.

Investigações mostram que Márcio Gordo teria retirado as armas de dois endereços ligados a Ronnie Lessa, alugado o barco e jogado tudo ao mar.

Últimas notícias