PF não vê indícios de invasão em terra indígena, diz MP

Funcionários do Estado do Amapá e lideranças da comunidade afirmaram que o cacique Emyra Waiãpi foi morto com sinais de facadas

ReproduçãoReprodução

atualizado 30/07/2019 8:09

O Ministério Público Federal (MPF) no Amapá afirmou nessa segunda-feira (29/07/2019) que a Polícia Federal (PF) não achou vestígios de que a Terra Indígena Waiãpi, no oeste do Amapá, tenha sido invadida por garimpeiros. No fim de semana, dois funcionários do governo do Amapá e outras duas lideranças indígenas afirmaram que o cacique Emyra Waiãpi foi morto com sinais de facadas. Políticos locais atribuíram a morte à invasão de garimpeiros.

Nesse sábado (27/07/2019), a própria Fundação Nacional do Índio (Funai), órgão ligado ao Ministério da Justiça, relatou, em memorando interno, que um grupo de cerca de 15 invasores armados ocupou as imediações da aldeia Yvytotõ. Os moradores da região tiveram que se abrigar em outra aldeia vizinha, chamada Mariry. “Com base nas informações coletadas pela equipe em campo, podemos concluir que a presença de invasores é real e que o clima de tensão e exaltação na região é alto”, diz o documento. Procurada, a assessoria do órgão afirmou que as informações eram preliminares.

De acordo com o procurador Rodolfo Lopes, porém, uma equipe da PF visitou a área acompanhada por líderes dos Waiãpi e não teria encontrado vestígios que poderiam caracterizar a passagem dos invasores como pegadas, sinais de fogueira ou acampamento.

“Não se confirma, por ora, a informação que houve invasão”, afirmou o procurador em entrevista em Macapá, capital do estado. Ele disse também não ser possível concluir ainda se a morte do cacique foi homicídio, pois há “várias hipóteses” em apuração.

Em nota, o Conselho das Aldeias Waiãpi (Apina) disse que os policiais que fizeram as buscas se recusaram a entrar na mata em busca dos invasores.

Garimpo
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) também colocou dúvidas sobre o episódio. Ele voltou a afirmar que pretende legalizar o garimpo no país, o que inclui a liberação da atividade em terras indígenas.

“Usam o índio como massa de manobra, para demarcar cada vez mais terras, dizer que estão sendo maltratados. Não tem nenhum indício forte que esse índio foi assassinado lá. Chegaram várias possibilidades, a PF está lá, quem nós pudemos mandar já mandamos. Buscarei desvendar o caso e mostrar a verdade sobre isso aí.”

Últimas notícias