PF faz operação para investigar fraudes em compra de armas de fogo

Durante a ação, a PF cumpriu um mandado de prisão preventiva e 11 mandados de busca e apreensão em Teresina (PI) e em Caxias (MA)

atualizado 01/08/2022 11:05

Armas de fogo Divulgação/Polícia Federal

A Polícia Federal (PF) deflagrou, nesta segunda-feira (1º/8), a segunda fase da operação Restituere, que apura fraudes em processos para aquisição de armas de fogo pela superintendência do órgão no Piauí.

Durante a ação, a PF cumpriu um mandado de prisão preventiva e 11 mandados de busca e apreensão em Teresina (PI) e em Caxias (MA). Além disso, quatro servidores foram afastados das funções.

Uma mulher foi presa suspeita de ser a responsável pelas fraudes administrativas. Os agentes também apreenderam as armas de fogo adquiridas de forma ilegal a partir de documentos falsificados.

A primeira fase da operação aconteceu em setembro de 2021, quando foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão na capital do estado.

Os acusados poderão responder por falsificação e uso de documentos falsos, corrupção ativa e posse ou porte ilegal de armas.

Mais lidas
Últimas notícias