Para reduzir fila por auxílio-doença, INSS começa nesta terça a teleperícia

Serviço estará disponível para segurados que trabalham em empresas que têm médicos do trabalho para atender os empregados

atualizado 03/11/2020 10:42

Rafaela Felicciano/Metrópoles

Na tentativa de diminuir a filade  750 mil segurados que aguardam atendimento para receber o auxílio-doença da Previdência Social, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) começa nesta terça-feira (3/11) a testar o projeto-piloto de perícia médica a distância.

A chamada teleperícia atende a uma determinação do Tribunal de Contas da União (TCU). O projeto-piloto prevê exames médicos a distância e vai abranger trabalhadores de empresas que têm acordos de cooperação com o instituto.

Por enquanto, a teleperícia estará disponível para um grupo restrito de segurados que trabalham em empresas que têm médicos do trabalho para atender os empregados. Geralmente, são companhias de médio e grande portes.

Na fase de testes, o atendimento deverá ser agendado pelo empregador em comum acordo com o empregado e deverá ser realizado nas instalações da própria empresa, com a presença do médico do trabalho.

Durante o teleatendimento, esse profissional da empresa vai fazer os testes necessários e responder às perguntas do perito do INSS, que estará em videochamada. Assim, o segurado não vai precisar ir, num primeiro momento, a uma agência do INSS.

Depois da teleperícia, o perito poderá conceder o benefício, negá-lo ou determinar a realização de um exame presencial numa agência da Previdência Social.

As perícias a distância estarão disponíveis apenas para a concessão do auxílio-doença, ou seja, por incapacidade temporária para o trabalho. O exame por telemedicina não poderá ser feito para a prorrogação desse benefício ou para a conversão do pagamento em aposentadoria por incapacidade permanente.

Segundo o INSS, continuarão ocorrendo de forma presencial os exames para a prorrogação de auxílio por incapacidade temporária; a conversão do mesmo em aposentadoria por incapacidade permanente ou em auxílio-acidente; e a elegibilidade para o serviço de reabilitação profissional.

O INSS declarou ainda que vários órgãos vão se reunir para avaliar os resultados do projeto-piloto e emitir recomendações sobre a continuidade ou não da perícia médica com o uso da telemedicina.

Últimas notícias