Pai de Neymar defende vídeo: “Prefiro crime de internet a de estupro”

"Era um risco que iríamos correr, mas tomamos as providências", disse o empresário

FRANCISCO SECO/ESTADÃO CONTEÚDO

atualizado 03/06/2019 10:58

Pai de Neymar se pronunciou, na manhã desta segunda-feira (03/06/2019), sobre o vídeo que o jogador publicou no Instagram para se defender da acusação de estupro.

“Não tínhamos escolha. Eu prefiro um crime de internet a de estupro”, defendeu. “Foi o Instagram que tirou. Pelas regras do Instagram estava normal. Ele preservou a imagem, o nome. Ele precisava se defender rapidamente. É melhor ser verdadeiro e mostrar o que aconteceu. Sabíamos da chantagem, mas não da coragem de fazer um B.O. em cima de uma situação dessas”, declarou em entrevista à Band.

“Era um risco que iríamos correr, mas tomamos as providências de auxiliar em relação a isso. Eu não posso deixar isso acontecer, conversei com o Neymar, muito. É melhor pagar por ser inconsequente do que por estupro. Se a vontade da menina é procurar os direitos dela, cabe à Justiça determinar”, acrescentou.

Vídeos
A mulher que acusa Neymar de estupro teria imagens e documentos que comprovariam o crime. Segundo reportagem do UOL esportes, parte dessas provas já estão com a Polícia Civil de São Paulo.

À publicação, quatro fontes diferentes que tiveram acesso às imagens disseram que o jogador aparece agindo de forma “agressiva” ou “alterada” antes do momento do suposto estupro.

Em entrevista à TV Bandeirantes, o pai do jogador disse que o filho percebeu que estava sendo filmado. “O celular parecia estar de pé, como se estivesse carregando. Ele viu que estava filmando e aí pediu para ela ir embora. Ele até tenta filmar, mas erra. Coloca no bolso e não consegue”, explicou.

“Ela queria agredir ele… Ele se joga para a cama e tenta acalmar ela e pede para ela ir embora. O Neymar consegue acalmar, sai do hotel e dá a passagem para ela voltar (para o Brasil). Ficou essa confusão, mas sabíamos que isso iria chegar de alguma forma”, acrescentou.

Últimas notícias