“Onde há controle, pode ter Carnaval”, diz secretário de Saúde de SP

Capital paulista vai analisar o cenário epidemiológico para decidir se autoriza a festa de rua; secretário ressalta alta de casos de Covid

atualizado 05/01/2022 10:04

Carnaval de São PauloRovena Rosa/Agência Brasil

São Paulo – O secretário municipal de Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, afirmou nesta quarta-feira (5/1) que em locais onde há controle da pandemia de Covid-19, pode ter Carnaval.

A jornalistas na manhã desta quarta, ele acrescentou que eventos como a São Silvestre e o retorno do público do futebol aos estádios são exemplos de sucesso porque puderam contar com exigência do comprovante de vacinação contra a Covid e uso de máscaras.

“Se os protocolos forem cumpridos em local onde há controle, não há problema [ter Carnaval]”, diz.

Há, porém, uma descrença em relação aos métodos de combate à pandemia e ao Carnaval de rua, que é marcado pelas aglomerações e dificuldade para controle.

A decisão em relação à festa de rua, no entanto, só será tomada na quinta-feira (6/1) em reunião da Vigilância Sanitária com o prefeito Ricardo Nunes. Uma das possibilidades em estudo é transferir a festa para o Autódromo de Interlagos.

Segundo Aparecido, serão analisados dados do momento e também a previsão do impacto de um evento do porte do Carnaval para os próximos meses.

“O que vemos é que o grau de disseminação da variante Ômicron em São Paulo segue gráfico parecido com da Ásia e Europa, rápido crescimento em curto espaço de tempo”, alerta o secretário.

Ele, entretanto, diz que o sistema de Saúde não foi afetado. “Houve aumento de 30% de casos de Covid em janeiro, mas a rede hospitalar não foi impactada”, pontua.

Questionado sobre sua opinião em relação ao Carnaval de rua, o secretário foi conciso: “Minha opinião vai ser da Vigilância Sanitária que vou apresentar amanhã pela primeira vez para o prefeito”. 

 

 

Mais lidas
Últimas notícias