Novo laudo confirma que Henry Borel morreu em um intervalo de 4 horas

Óbito deve ter acontecido entre 23h30 e 3h30, indicam peritos no documento. "Houve morte por ação contundente, pelo trauma hepático"

atualizado 23/04/2021 11:15

Henry Borel MedeirosReprodução redes sociais

Rio de Janeiro – O menino Henry Borel Medeiros, de 4 anos, morreu em um intervalo de quatro horas após sofrer hemorragia interna provocada por lesão hepática. É o que mostra novo laudo do Instituto Médico Legal (IML), solicitado pelo delegado Edson Henrique Damasceno, titular da 16ª DP (Barra da Tijuca), ao qual o Metrópoles teve acesso. O documento aponta ainda que Henry sofreu lesões no nariz e embaixo do olho esquerdo provocadas por unha.

O médico-legista confirma, ainda, a ação contundente como causa do óbito de Henry. “Houve morte por ação contundente, pelo trauma hepático, mas através da perícia necroscópica não foi possível determinar a dinâmica do evento.”

Outro detalhe importante confirmado pelo novo exame feito pelos peritos sustenta que o menino já estava morto ao ser socorrido pela mãe, Monique Medeiros da Costa e Silva de Almeida, e o padrasto do garotinho, o vereador e médico Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (sem partido), às 4h09. De acordo com o laudo, o óbito deve ter acontecido entre 23h30 e 3h30.

Como o Metrópoles mostrou nessa quinta-feira (22/4), o legista Leonardo Huber Tauil, perguntado pelos investigadores se o corpo do menino apresentava múltiplas lesões, em diferentes regiões do corpo, e se é possível identificar compatibilidade entre algumas dessas marcas com soco, chute, pressão de dedo, unha ou impacto de objeto contundente, disse que “as lesões na região nasal e infraorbital esquerda assinaladas com número 1 no esquema em anexo são compatíveis com escoriações causadas por unha”.

O exame complementar também afirmou que o menino não tinha sinais de maus-tratos anteriores. Diferentemente do declarado pela babá Thayna de Oliveira Ferreira, que relatou aos investigadores que Henry sofria uma rotina de agressões.

No laudo complementar, o delegado pergunta ainda se as lesões constatadas são compatíveis com eventual manobra de reanimação ou socorro da vítima. O legista que assina o documento afirma que “algumas podem ter sido causadas na tentativa de socorro e equimose (manchas roxas)”.

0
Entenda o caso

O menino Henry Borel Medeiros morreu no dia 8 de março, ao dar entrada em um hospital da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. Segundo o pai do garotinho, Leniel Borel de Almeida Júnior, ele e o filho passaram o fim de semana juntos, normalmente.

Por volta das 19h do dia 7, Leniel levou o filho de volta para a casa em que Henry morava com a mãe, Monique Medeiros da Costa e Silva de Almeida, e com o vereador e médico Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (sem partido).

Ainda segundo o pai de Henry, às 4h30 do dia 8, ele recebeu uma ligação de Monique e foi informado de que ela estava levando o filho ao hospital, porque o menino apresentava dificuldades para respirar.

Leniel afirma que viu os médicos tentando reanimar o pequeno Henry, sem sucesso. O garotinho morreu às 5h42, conforme boletim policial registrado pelo pai da criança.

De acordo com o laudo de exame de necropsia, a causa da morte do menino foi hemorragia interna e laceração hepática, provocada por ação contundente. Para especialistas, ação contundente seria agressão.

Mãe e padrasto da criança estão presos desde o último dia 8 acusados no envolvimento da morte de Henry.

Últimas notícias