MP denuncia 35 PMs por motim no Ceará que acabou com Cid Gomes ferido

Na ocasião, o senador foi atingido por dois tiros enquanto tentava invadir um batalhão com uma retroescavadeira

atualizado 23/06/2021 8:53

JOÃO DIJORGE/PHOTOPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

O Ministério Público do Ceará (MPE-CE) denunciou 35 policiais militares pelo motim em Sobral (CE), no ano passado, que acabou com o senador Cid Gomes ferido com dois tiros (PDT-CE), quando tentava invadir o 3º Batalhão da PM com uma retroescavadeira. Entre os oficiais denunciados, estão dois com patente de tenente-coronel, identificados como responsáveis pelo motim.

Os militares negaram a denúncia e afirmaram que não é possível identificar os oficiais nas imagens gravadas, uma vez que todos estavam com o rosto coberto. Agora, a denúncia segue para a decisão da Vara de Auditoria Militar, que poderá tornar os militares réus pelos crimes de omissão e revolta dos policiais.

Em relação aos tiros em Cid Gomes, o inquérito segue aberto na Polícia Civil, ainda sem conclusão.

Na decisão, o promotor de Justiça militar Sebastião Brasilino Filho, responsável pelo caso, afirmou que o motim foi ilegal.

“Desde os dias iniciais da revolta, passamos a assistir ao crime, através de seus elementos militares, invadindo quartéis e tomando de assalto as viaturas policiais, cenas que infelizmente ganharam repercussão nacional”, escreveu na denúncia.

Basilino complementa que os oficiais não podem afirmar terem sido coagidos, uma vez que “tinham o dever legal de agir para proteger terceiros, bem como proteger a si”.

O motim contra uma proposta de reestruturação salarial durou 13 dias e, desde então, mais de 300 policiais em todo o estado já foram denunciados.

Veja cenas gravadas do motim em Sobral abaixo. Nelas, homens encapuzados em viaturas apontam armas e dão ordens:

Últimas notícias