Ministro da Justiça promete buscas no AM até “esgotar possibilidades”

As buscas pelo jornalista inglês Dom Phillips e pelo indigenista Bruno Araújo Pereira completaram 10 dias

atualizado 14/06/2022 20:06

Anderson Torres, ministro da Justiça e Segurança Pública, é convidado a prestar esclarecimentos sobre morte de crianças da etnia Yanomami por ação de garimpeiros na Câmara 11Igo Estrela/Metrópoles

O ministro da Justiça e Segurança Pública, delegado Anderson Torres, afirmou que o governo federal irá manter as buscas pelo jornalista inglês Dom Phillips e pelo indigenista Bruno Araújo Pereira até se “esgotarem todas as possibilidades”.

Nesta terça-feira (14/6), após a posse do superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro, delegado Ivo Roberto Costa da Silva, Torres disse que as buscas serão mantidas.

Publicidade do parceiro Metrópoles
0

O ministro se encontrou com Vicky Ford, subsecretária de América Latina da chancelaria britânica, nos Estados Unidos, durante a Cúpula das Américas, na semana passada. “Me comprometi de que tudo que estiver ao alcance do governo brasileiro será feito”, detalhou.

Ele acrescentou: “É uma região extremamente complicada, extremamente distante da capital, Manaus. As buscas continuam. Desde o primeiro momento, o governo federal colocou as Forças Armadas, a Polícia Federal e a própria Fundação Nacional do Índio (Funai) para atuarem nas buscas”.

Buscas

As buscas pelo jornalista e pelo indigenista completaram 10 dias. Além da falta de desfecho sobre o que aconteceu com a dupla, o conflito de versões desencadeia uma série de reações e deixa familiares e amigos perplexos.

A Polícia Federal concentra os esforços em áreas próximas ao Rio Itaquaí, onde objetos pessoais dos desaparecidos foram encontrados. O Brasil e o mundo acompanham com espanto o desenrolar do sumiço.

De acordo com informações da Polícia Federal, as buscas continuam em diversas frentes nesta terça-feira e foram suspensas às 18h.

Investigações

A Polícia Civil do Amazonas atualizou as informações sobre a investigação do desaparecimento do jornalista inglês e do indigenista. Ao todo, nove depoimentos já foram colhidos.

Nesta terça, segundo a polícia civil amazonense, a esposa do pescador Amarildo da Costa de Oliveira, 41 anos, conhecido como Pelado, foi à delegacia. Ele está preso suspeito de envolvimento no sumiço.

A mulher, que não teve a identidade divulgada, esteve na seda da Polícia Civil de Atalaia do Norte acompanhada por um advogado e preferiu não responder aos questionamentos dos investigadores.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias