Em 4 dias, incêndios devastam 50 mil hectares do Pantanal em MS

Linha de fogo em rodovia chegou a 50 quilômetros de extensão; força-tarefa tenta evitar que o fogo atinja pousadas e hotéis

Chico Ribeiro/Governo de Mato Grosso do SulChico Ribeiro/Governo de Mato Grosso do Sul

atualizado 31/10/2019 12:22

Incêndios florestais incontroláveis já devastaram ao menos 50 mil hectares de vegetação nativa, desde domingo (27/10/2019) no Pantanal de Mato Grosso do Sul – o equivalente a 50 mil campos de futebol.

Conforme o Corpo de Bombeiros do estado, as chamas avançam em várias direções e em proporções que nunca foram registradas nesse ecossistema, um dos mais significativos do país. Somente entre segunda-feira (28/10/2019) e terça-feira (29/10/2019) os satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) detectaram 799 focos de incêndio na região.

O Pantanal Sul já sofreu queimadas intensas em setembro deste ano, por causa da estiagem. Uma força-tarefa coordenada pela Defesa Civil estadual conseguiu controlar os focos, mas eles reapareceram no último domingo. Conforme o governo do estado, as chamas se expandem com incrível rapidez, produzindo um cenário de devastação, com árvores calcinadas, animais mortos ou fugindo das labaredas. A fumaça prejudica o tráfego em rodovias e interfere na visibilidade das aeronaves que combatem o fogo.

Os incêndios atingem principalmente os municípios de Corumbá, Miranda e Aquidauana.

Nessa quarta-feira (30/10/2019) novos focos eclodiram ao longo da BR-262, principal rodovia da região, formando uma linha de fogo que chegava a 50 quilômetros de extensão. Pantaneiros foram obrigados a transferir o gado para áreas alagadas. Algumas pousadas ao longo da Estrada-Parque MS-184, região de atrativos turísticos, conhecida como Passo da Lontra, chegaram a ficar isoladas pelos incêndios.

A força-tarefa, com 26 homens, entre brigadistas, bombeiros e operadores de aeronaves, tenta evitar que o fogo atinja as pousadas e hotéis, que estão lotados de turistas em razão do final da temporada de pesca nos rios do Pantanal.

“As dificuldades são extremas pelas condições climáticas, com altas temperaturas, baixa umidade e ventos acima de 30 km por hora”, disse o capitão Vinicius Barbosa Gonçalves, que coordena a equipe.

Na terça, a temperatura chegou a 40ºC na região.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) expediu alerta aos motoristas para não trafegarem à noite pelas rodovias do Pantanal, devido ao risco da fumaça e de acidentes com animais em fuga.

Durante o dia, o tráfego é interrompido quando a fumaça invade as estradas ou por causa da altura das labaredas, que chegam a atingir 10 metros. O avanço das chamas ameaça linhas de transmissão e coloca em risco o fornecimento de energia elétrica e abastecimento de água em Corumbá e Ladário.

Ajuda
Nesta quinta-feira (31/10/2019) o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) vai pedir apoio ao governo do Distrito Federal, que, em setembro, cedeu aeronaves para o combate de incêndios florestais em Miranda, no Pantanal.

O combate terrestre será reforçado com o envio de homens e aviões para as regiões mais críticas. Uma resolução da Secretaria do Meio Ambiente do estado e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) será publicada no Diário Oficial para prorrogar por mais 30 dias a proibição do uso do fogo para limpar pastos e atividades agrícolas em todo o bioma Pantanal.

Últimas notícias