Marinha diz que tanques na rua não têm relação com votação na Câmara

Desfile de blindados está incomodando políticos em Brasília porque nesta terça a Câmara decide sobre a PEC do Voto Impresso

atualizado 09/08/2021 22:44

desfile militar em BrasíliaMichel Melo/Metrópoles

A Marinha do Brasil divulgou nota na noite desta segunda-feira (9/8) negando que o desfile de tanques previsto para esta terça-feira (10/8) na Esplanada dos Ministérios tenha relações com a votação, no plenário da Câmara, da PEC do Voto Impresso. A instituição confirmou que um comboio de 150 viaturas vai passar pela capital a caminho de um exercício militar em Formosa (GO) para entregar convites ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e a outras autoridades.

De acordo com a Marinha, esse exercício, a Operação Formosa, é realizado desde 1988. “Cabe destacar que essa entrega simbólica foi planejada antes da agenda para a votação da PEC 135/2019 no Plenário da Câmara dos Deputados, não possuindo relação com a mesma, ou com qualquer outro ato em curso nos Poderes da República”, diz a nota.

Ainda segundo a Força, depois de os blindados irem embora, pela manhã, 14 viaturas “ficarão em exposição durante essa terça-feira, em frente ao prédio da Marinha na Esplanada dos Ministérios”. Para a instituição, “os eventos buscam valorizar e apresentar, à sociedade brasileira, o aprestamento dos meios operativos da nossa Marinha”.

A nota afirma que diversas autoridades dos Poderes da República são convidadas para assistir ao dia de Demonstração Operativa, que ocorrerá em 16 de agosto, como o vice presidente Hamilton Mourão, ministros de Estado e os presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco, e da Câmara, Arthur Lira.

Reações

O PSol e a Rede entraram com mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar impedir o desfile de veículos militares blindados.

Arthur Lira (PP-AL) disse, nesta segunda, que considera o desfile de blindados na Esplanada dos Ministérios uma “coincidência trágica” com a agenda da Câmara.

Mais lidas
Últimas notícias